Phillips
Phillips

‘Eu não mudo de opinião...’

Difícil falar de música quando artistas são atacados e ameaçados

Roberta Martinelli, O Estado de S. Paulo

16 Outubro 2018 | 02h00

Difícil falar de música quando artistas são atacados e ameaçados. Difícil demais falar de música enquanto um mestre de capoeira é brutalmente assassinado por motivações políticas. Difícil falar de música enquanto garotas são agredidas nas ruas do nosso País. Dificílimo falar de música enquanto um jovem tem medo de sair de casa por amar. Tá difícil mesmo. Brasil 2018. O não entendimento de algumas leis e artistas sendo xingados por isso. Lembrei de um outro tempo que estudei e não vivi e não quero viver nunca. 

O ano era 1964. No dia 11 de dezembro estreia no Teatro do Shopping Center Copacabana, que era sede do Teatro de Arena no Rio de Janeiro o show manifesto Opinião. Espetáculo de 45 minutos com elenco formado por Nara Leão (depois substituída por Maria Bethânia), João do Vale e Zé Keti, com integrantes do Centro Popular de Cultura da UNE e direção de Augusto Boal. O show surgiu em um momento bem grave do nosso País, pós golpe de estado desse ano, um golpe militar que encerrou o governo do Presidente João Goulart, também conhecido como Jango. 

Com o golpe militar, aumentou a repressão e o grupo do Teatro de Arena de São Paulo se separou e seus integrantes foram morar espalhados em outros estados. Boal foi morar em Poços de Caldas (MG) e depois foi para o Rio de Janeiro e lá resolveu fazer um espetáculo como resposta à ditadura vigente. Os encontros aconteciam no Zicartola, restaurante mantido por Cartola e Dona Zica, era um show com relatos deles, com histórias de repressão, com opinião. Opinião que estava sendo vigiada na época. E opinião que está presente na obra de arte. Escuto muitas vezes pessoas dizendo que arte não tem que ter opinião e fico inconformada. Uso como exemplo o que aconteceu na semana passada no show do Roger Waters na semana passada. Li pessoas escrevendo que foram a um show e não à um ato político, mas, pera lá, todo show é um ato político, a obra de um artista também, ainda mais a de um artista como ele que teve familiares assassinados por nazistas. Querer a arte quieta e sem opinião é cavar um buraco para entrar depois. Fiquemos atentos e fortes. 

O show Opinião foi censurado quando veio para São Paulo mesmo depois de “liberado pelo órgão competente que liberou a peça para todo território nacional” (trecho esse retirado da matéria do Correio da Manhã em Maio de 1965), tentaram violar uma obra teatral e musical e depois disso as consequências foram as que conhecemos, estudamos em aulas de História e não queremos nunca mais que se repita. 

Arte é política, tentar separar as duas coisas é impossível. 

Música da semana

O que foi feito devera (de Vera)

Canção de Milton Nascimento, Fernando Brant e Márcio Borges do disco Clube da Esquina 2 de 1978, com participação especial de Elis Regina. “O que foi feito, amigos, de tudo que a gente sonhou? O que foi feito da vida? O que foi feito do amor?” Escolhi essa música por acreditar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.