Estréia nova montagem de "O Guarani"

Quando assumiu a direção artística do Teatro Municipal em junho, o maestro Júlio Medaglia anunciou como uma de suas metas para este ano incrementar a programação da casa, que sofre com o descaso das autoridades e a falta de verbas, com uma nova montagem da ópera O Guarani, de Carlos Gomes. O resultado é uma produção que mistura encenação e concerto, que estréia nesta sexta-feira no Teatro Municipal, com direção musical do próprio Medaglia, à frente da Orquestra Sinfônica Municipal e do Coral Lírico Municipal, e concepção cênica dos diretores Walter Neiva e Rubens Velloso.Composta em 1870, durante o período em que Carlos Gomes permaneceu na Itália, O Guarani foi baseado no romance de mesmo nome de José de Alencar, que utilizou a história de Ceci e Peri para exaltar a figura do índio como elemento formador de um possível sentimento nacionalista brasileiro.A ópera narra a história do índio Peri, chefe da tribo dos guaranis, que se apaixona pela jovem portuguesa Ceci, filha do fidalgo D. Antonio de Mariz que, no entanto, prometeu a mão de sua filha ao também fidalgo D. Álvaro. D. Antonio, no entanto, respeita Peri e permite que ele tenha acesso ao castelo uma vez que ele salvou sua filha de um ataque dos índios aimorés.No entanto, Ceci também é o objeto da paixão de um aventureiro espanhol, Gonzales, que tenta raptá-la do castelo de seu pai. Não tem sucesso, sendo impedido por Peri.Mas Ceci acaba mesmo sendo raptada pelos aimorés, inimigos dos portugueses e da tribo guarani. Peri parte em sua busca, mas sua tentativa de salvá-la falha e também ele é capturado e condenado à morte.A salvação dos dois aparece na figura dos portugueses, que invadem a tribo hostil. No combate, D. Álvaro é morto, enquanto Ceci e Peri voltam ao castelo.A paz, no entanto, não é alcançada com a destruição da tribo dos aimorés que, instigados por Gonzales, invadem o castelo de D. Antonio. Este, diante da confusão, pede a Peri que vá embora com Ceci.Para tanto, porém, o guarani precisaria converter-se ao cristianismo: só assim poderia casar com Ceci e levá-la para longe da ameaça aimoré. Peri aceita a condição e os dois fogem enquanto o castelo é destruído e D. Antonio, assassinado pelos aimorés.Internacionais - Grande parte do elenco escolhido para a produção vem de fora do País. A búlgara Zvetelina Maldjanska interpreta sua primeira Ceci, tendo a seu lado o italiano Francesco Paolo Panni como Peri. Também é italiano o baixo Roberto Nencine, que canta o papel do cacique da tribo dos aimorés.Como Gonzáles foi escalado o barítono brasileiro Douglas Hahn, que surpreendeu ao cantar o mesmo papel na montagem patrocinada pelo Instituto Alfa, no início de maio, e apoiada pela Secretaria Municipal de Cultura, que cedeu a Orquestra Sinfônica Municipal para a produção dirigida por José Possi Neto. O baixo Marcos Ribeiro será D. Antonio de Mariz.A encenação, segundo Rubens Velloso, procura unir a presença dos cantores a metáforas sugeridas por imagens que serão projetas em um telão. "Estaremos utilizando dois tipos de linguagem, um real e um virtual", afirma. A intenção é ressaltar alguns temas presentes na obra como a paixão, a honra, o embate de culturas e a relação entre o colonizador e o colonizado.Para Julio Medaglia, o mais importante é, por meio da música, recriar uma atmosfera capaz de mostrar o vigor do índio brasileiro e a visão romântica que José de Alencar sugere em seu romace.O Guarani - De Carlos Gomes. Sexta e quarta, às 21 horas; domingo, às 17 horas. De R$ 5,00 a R$ 30,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/n.º, tel. 222-8698.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.