Divulgação
Divulgação

Espetáculo projeta Cazuza em holograma

Apresentação no Parque da Juventude celebra os 55 anos do poeta carioca

Murilo Bomfim, O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2013 | 19h13

Vê-lo não vai ser tão bacana quanto no passado. Mas quem sentiu a força de Cazuza no palco pode, enfim, matar as saudades. E quem apenas o ouviu agora tem a chance de conferir o ídolo em ação. É que, no ano em que completaria 55 anos, Agenor de Miranda Araujo Neto ganha uma homenagem: em forma de holograma, volta ao palco neste sábado, dia 30, no Parque da Juventude, com uma banda formada por amigos.

A ideia surgiu depois que o diretor geral do evento, Omar Marzagão, foi a Londres, em 2011, para conhecer a tecnologia holográfica a convite da empresa Musion, responsável pelo holograma do rapper Tupac Shakur no festival Coachella, na Califórnia. “Sou muito amigo do George (Israel, do Kid Abelha) e lembrei do show que ele fez do disco 13 Parcerias com Cazuza”, diz o diretor, que aproveitou a efeméride para, junto a Israel, realizar a apresentação.

A versão virtual de Cazuza aparece nos 20 minutos finais do show, quando ele canta cinco músicas e interage com a plateia. “Encaramos essa parte como um pocket show dentro do espetáculo”, diz Israel. “Pegamos falas dele, algumas políticas, outras com aquela ação impulsiva, com aquele deboche.” A banda que acompanha o holograma é composta por músicos que fizeram parte da carreira do cantor: Nilo Romero, baixista e produtor dos dois últimos discos; Arnaldo Brandão, parceiro em O Tempo Não Para; Leoni, que teve participação em Exagerado; Rogério Meanda, deO Nosso Amor a Gente Inventa; Guto Goffi, um dos fundadores do Barão Vermelho; e o próprio Israel, que, com Cazuza, compôs sucessos como Burguesia e Brasil. Esta é entoada por Gal Costa, que também deve cantar outras duas músicas do poeta na primeira parte do show. Além dela, participam Paulo Ricardo e outros músicos que, formando uma orquestra, dão outros ares para algumas das canções.

Sobre o efeito mórbido que a aparição de Cazuza pode gerar, Israel reconhece a polêmica. “Também por isso eu procurei me cercar dos pais dele antes de embarcar nessa. Mas o Cazuza sempre foi desbravador, corajoso. Acho que tem a ver.” Para Marzagão, o risco não existe. “De jeito nenhum estamos ressuscitando o artista, é apenas uma homenagem. Qual é a diferença entre colocá-lo em holograma ou no cinema?”

Segundo Marzagão, a produção do holograma, feita pela Revel Alliance (responsável por efeitos em filmes hollywoodianos), durou cinco meses e foi dividida em várias etapas. Primeiro, todo o roteiro do show foi definido para que a voz de Cazuza fosse extraída dos fonogramas. Ao mesmo tempo, a equipe fazia testes para escolher quem faria os movimentos que são executados pela imagem. Orlando Ávila – que ficou atrás apenas de Daniel de Oliveira para interpretar o astro no cinema – fez, separadamente, as expressões corporais e faciais, que foram posteriormente combinadas. O processo foi feito no Rio, em Paris, Milão e Dubai.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.