Neil Lupin/Redferns
Neil Lupin/Redferns

Eric Clapton e Van Morrison lançam música contra o isolamento social

'Stand and Deliver' sairá dia 4 de dezembro como um grito pela volta da música ao vivo no Reino Unido. "Muitos de nós apoiamos Van e seus esforços para salvar a música ao vivo; ele é uma inspiração ”, disse o Clapton em entrevista à revista Variety. “Devemos nos levantar, precisamos encontrar uma maneira de sair dessa bagunça... A música ao vivo pode nunca mais se recuperar

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

28 de novembro de 2020 | 17h43

Eric Clapton e Van Morrison seguem em suas campanhas contra o isolamento social. Depois de lançar três músicas protestando contra o bloqueio no Reino Unido em setembro e outubro, intituladas Born To Be Free, As I Walked Out e No More Lockdown, o irlandês Morrison, 75 anos de idade e uma história no primeiro escalão rock and roll desde Brown Eyed Girl, de 1967, acaba de anunciar mais uma música feita, desta vez, com o inglês Eric Clapton. Ela se chama Stand and Deliver (em tradução livre, Fique de Pé e Entregue-se). Seu lançamento será dia 4 de dezembro, quando as pessoas poderão comprá-la nas plataformas digitais (iTunes, Amazon Music, Deezer) para, segundo Morrison, ajudar o seu Morrison’s Lockdown Financial Hardship Fund, uma instituição que presta assistência a músicos vítimas do impacto econômico do coronavírus.

Clapton está com Morrison e não abre em sua cruzada contra o lockdown no Reino Unido. Em março, poucos dias antes do anúncio da pandemia mundial feito pela Organização Mundial de Saúde (OMS), eles se apresentaram juntos na O2 Arena de Londres, na ocasião, para levantar fundos ao The Royal Marsden Cancer Charity. Stand and Deliver, com alguns segundos disponíveis no Instagram de Morrison, é, apesar da causa controversa de sua existência, é muito bom. Um blues cheio de vigor que Clapton canta ao lado da guitarra e dos solos de gaita do parceiro e de uma banda.

A Inglaterra anunciou na quinta-feira que o seu sistema de lockdown nacional vai até a próxima quarta-feira, quando ele será substituído por um escalonamento regional. Um terço da Inglaterra está sujeito às limitações mais rígidas contra a Covid. No geral, o esquema está mais rigoroso, já que o sistema escalonado antigo não manteve as taxas de infecção baixas e levou o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, a anunciar o lockdown nacional. 

Mas Clapton e Morrison estão preocupados com a música ao vivo: “Muitos de nós apoiamos Van e seus esforços para salvar a música ao vivo; ele é uma inspiração ”, disse o guitarrista. “Devemos nos levantar, precisamos encontrar uma maneira de sair dessa bagunça... A música ao vivo pode nunca mais se recuperar”. Morrison também o elogiou: “A gravação de Eric é fantástica e irá claramente ressoar com muitos que compartilham nossas frustrações”, disse Morrison. “É de partir o coração ver tantos músicos talentosos sem qualquer apoio significativo do governo, mas queremos tranquilizá-los de que estamos trabalhando duro todos os dias para fazer lobby pelo retorno da música ao vivo e para salvar nossa indústria”.

John Fracchia, um seguidor de Morrison em seu Instagram, escreveu o seguinte comentário: “Caro Sr. Morrison: eu respeito seu desejo de tentar ajudar músicos que, junto com outros artistas, foram desproporcionalmente impactados por esta pandemia. Mas não posso tolerar sua posição de abrir as coisas neste momento. Francamente, é provável que cause mais danos do que benefícios a longo prazo. Peço-lhe, senhor, que considere o alcance de sua influência e a do sr. Clapton como artistas, bem como os consideráveis recursos que cada um de vocês provavelmente possui. Você tem o privilégio e o poder de fazer uma diferença econômica imediata na vida desses artistas, sem defender posições que provavelmente aumentarão a duração da pandemia.” Keeley Lowe, outra seguidora, o rebateu logo em seguida: “Se o senhor está preocupado com a Covid-19, fique em casa.” 

Desde que a pandemia começou, mais de 57 mil pessoas morreram no Reino Unido. Provavelmente, muitas delas eram fãs de Clapton e de Morrison.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.