Eric Burdon grava músicas de Marcelo Nova

O nome de Marcelo Nova encabeça a lista de agradecimentos do novo disco de Eric Burdon. Ainda sem previsão de lançamento no Brasil, My Secret Life é o primeiro álbum de inéditas do ex-vocalista do The Animals em 15 anos e a maior surpresa do ouvinte brasileiro será de encontrar três músicas do líder do Camisa de Vênus no repertório. Foi Marcelo quem ligou à redação do Jornal da Tarde para contar a novidade. Dono de uma das vozes mais potentes do rock dos anos 60, Burdon era um dos heróis do adolescente Marcelo. Quem era Eric Burdon antes de você conhecê-lo pessoalmente?Era como um amigo distante. Eu tinha 14 ou 15 anos quando me apaixonei por uma menina que não me dava bola. Eu botava meu compacto com Don´t Let Be Me Understood (música do The Animals) e aquilo me ajudava a superar minha primeira desilusão amorosa. Meu triunvirato no rock sempre foi Beatles, Rolling Stones e Animals. Mas os Animals tinham um lugar especial porque eram menos pop que Beatles e mais radicais do que os Stones. Como você o conheceu?Eu tinha um programa na rádio Transamérica chamado Let´s Rock e o entrevistei. Ele falou de desilusão, da saudades da filha, de como ele achava que não tinha sido um pai tão bom assim, dos casamentos... Isso em 1994. Quando ele voltou em 96, eu estava gravando o disco Quem É Você? e o convidei para ir ao estúdio. E ele foi (gargalhadas). Gravamos juntos Don´t Let Be Me Understood. Quando fui mixar o disco em Los Angeles, ele me pediu para eu traduzir algumas músicas minhas para o inglês. Três meses depois ele me ligou e falou: "Quanto mais eu ouço suas músicas mais eu vejo o poeta que você é", coisas assim. E como é ter três músicas suas gravadas por um ídolo?É um brinde ao destino. O fato de eu ter gravado um álbum com Raul Seixas também. São duas coisas que eu não esperava nem desejava - porque não imaginava que poderiam acontecer. O Eric Burdon será sempre o cara que eu ouvia na minha vitrolinha Philips. Para você que tem uma carreira à margem... (Interrompe) À margem da grande mídia mas no centro "da real" (gargalhadas). Eu já ganhei disco de platina, disco de ouro e disco de couro - quando não vendi nada. E não fiquei babando de alegria quando ganhei disco de platina nem fiquei triste quando ganhei disco de couro. Prefiro ter sido gravado por Eric Burdon e ter feito um disco com o Raul a ganhar qualquer recompensa comercial. Eu poderia continuar fazendo várias Eu Não Matei Joana D´arc mas não sou Peter Pan: tenho consciência dos meus 50 anos. Com todo respeito aos Rolling Stones, não quero ficar igual ao Mick Jagger, rebolando com aquela bunda magra (gargalhadas).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.