Erasmo Carlos lança caixa com 15 CDs

Depois de Gilberto Gil, Caetano Veloso,Nara Leão e Raul Seixas, entre outros nomes da música brasileira, é a vez do "Tremendão" Erasmo Carlos entrar para o seletogrupo de artistas que têm seus antigos discos reeditados eagrupados numa caixa especial. No caso de Erasmo, sua bela caixa, Mesmo Que Seja Eu, reúne 13 CDs, além de um CD de raridadese outro em espanhol, que compreendem sua carreira nas décadas de70 e 80 e que estavam fora de catálogo. Os CDs, todosremasterizados, vêm acompanhados de um livro com a história doTremendão e uma série de fotos.Mesmo Que Seja Eu abrange o períodopós-jovem-guardista do compositor. Fase em que Erasmo deixou oscarrões e os brotinhos de lado e investiu fundo no universofeminino e nas letras temáticas. "Considero os anos 70 operíodo em que eu cresci, saí daquela fase da Jovem Guarda ecomecei a ver o mundo de outra maneira, a prestar atenção àpolítica do Brasil", avalia ele. "Antes, eu só lia páginas deEsportes, mas passei a ler jornais, livros, viajar, me casei,fui pai; todo esse processo fez mudar meus valores e abriu umleque de temas. Parei de falar da namorada e comecei a falar damulher. Olha o horizonte que eu descobri quando passei danamorada para a mulher! É um filão inesgotável", diz,bem-humorado.Segundo Erasmo Carlos, a idéia de uma caixa comreedições de seus discos teve inspiração na caixa de GilbertoGil, lançada há três anos. Na ocasião, o compositor e seu filho,Leonardo Bruno Esteves, e Marcelo Fróes (pesquisador e produtorexecutivo da coletânea) pensaram em um projeto semelhante ao domúsico baiano. Com ajuda de Leonardo (que se tornou uma espéciede braço direito do pai), Erasmo garimpou suas antigas fitascaseiras. Precisou ouvir tudo o que tinha, selecionar o materiale enviá-lo para Marcelo Fróes avaliar se poderia ou não serremasterizado. "A maioria das fitas estava em bom estado. Asmais antigas, por algum motivo de fabricação, são melhores paratrabalhar", comenta Fróes. Mesmo assim, muitas das gravações deErasmo ficaram de fora.Outro trabalho árduo, de acordo com o compositor, foiencontrar os autores e parceiros das músicas, e conseguir delesautorização para que elas fossem incluídas nos discos. "Tinhade achar a família do cara que morreu, que pirou, que não moramais no Brasil. É muito difícil, envolveu o trabalho de umaequipe", diz. "Todo show que faço, sempre que estou no camarim, os fãs pedem ´Onde está aquele seu disco?´, e eu respondo ´Pô,bicho, já saiu de catálogo´. Aí, eles falam para eu pedir para agravadora relançar, mas digo que não é fácil assim, é um longocaminho."O resgate de parte da obra de Erasmo, sem dúvida, fará aalegria daqueles que há tempos buscam, sem sucesso, os antigosdiscos dele. Mas o projeto é também uma evidência contundente,para quem conhece muito pouco sobre Erasmo, que sua carreirasempre andou com as próprias pernas, desvencilhada do "Rei"Roberto Carlos (com quem faz parcerias há quatro décadas). Ostítulos relançados incluem Pelas Esquinas de Ipanema (de1978), Buraco Negro (de 1984, que traz no repertório amúsica Close), Amar pra Viver ou Morrer de Amor (de 1982, cuja capa causou estranhamento na época, ao mostrar uma pombasaindo do peito rasgado de Erasmo).O álbum Mulher (Sexo Frágil), de 1981, consideradopor Erasmo seu preferido e de maior sucesso, também faz partedessa coletânea. "É o disco mais bonito que fiz na minha vida,o mais autoral, o máximo da minha felicidade como ser humano",pondera. Ele lembra que seu disco anterior, Erasmo CarlosConvida..., que teve boa aceitação do público, abriuprecedentes para que a crítica colocasse em questão seMulher conseguiria o mesmo êxito. "Diziam que eu estavavendendo Erasmo Carlos Convida... porque estava cercado degente boa, e aguardavam o próximo. Graças a Deus, meu disco demaior sucesso foi Mulher, até eu precisava me provar isso."Seus velhos hits, como Festa de Arromba, O Caderninho eVem Quente Que Eu Estou Fervendo, estão reunidos no CDRaridades.Inicialmente, serão vendidas 250 mil caixas, ao preçosugerido de R$ 195,00, mas a gravadora Universal prometedistribuir mais unidades de acordo com a demanda. A gravadoraplaneja ainda distribuir os 15 CDs separadamente, mas isso nãodeve ocorrer agora.Este ano, Erasmo Carlos compôs com Max de Castro,Ritchie, Frejat e fez música para seu filho Alexandre. Voltou afazer parceria com Roberto Carlos em duas músicas, para o discode fim de ano do Rei. No primeiro semestre do ano que vem,Erasmo pretende entrar em estúdio para gravar um CD de inéditas.Enquanto isso, o compositor está às voltas com um processojudicial. Ele e Roberto Carlos foram acusados, pelo músicoSebastião Braga, de plagiar sua canção Loucuras de Amor namúsica O Careta, de 1987.Na semana passada, os advogados de Roberto Carlosreapresentaram à Justiça uma carta de fiança no valor de R$ 3,8milhões, em que o cantor se compromete a pagar indenização aBraga. "Tenho acompanhado a história pelos jornais, não ouviaté hoje a música da pessoa. Tem muito oportunismo no caso",afirma Erasmo Carlos. "O que for resolvido eu acato, mas nãodou corda para nada não."A repórter viajou a convite da gravadora Universal Music

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.