"Épipo Rei" leva teatro, ópera e dança ao Municipal

O maestro Jamil Maluf conta que há muito tempo pensava na realização de um espetáculo que pudesse unir teatro, ópera e dança, em acordo com a proposta experimental de sua orquestra, chamada, não por acaso, Experimental de Repertório. A chance chegou este ano com Stravinski e seu Édipo Rei, baseada na tragédia grega de Sófocles, em uma montagem que estréia hoje no Municipal. "Ele e Jean Cocteau anotam na partitura a idéia de que a ação dos solistas e do coro devia ser a mais estática possível, concentrada no gestual, nas mãos, nos olhos", lembra o maestro. "Da conversa com Mara Borba, no entanto, tivemos a idéia da inserção do balé, dentro do conceito do teatro de dança, com o movimento dos bailarinos pontuando o espetáculo, dando a dimensão da música."Mara Borba, portanto, ficou encarregada da direção cênica e das coreografias do espetáculo, que vai reunir nos palcos do Municipal cinco solistas (Fernando Portari, Celine Imbert, Peppes do Vale, Luciano Botelho e José Gallisa), os bailarinos da Cia. 2 do Balé da Cidade e os corais Paulistano e Lírico Municipal. Em, outras palavras, uma grande prova para os corpos estáveis do teatro, o que não assusta Maluf."Não há outro Édipo, pelas exigências do papel, além de Fernando Portari, o mesmo acontece com a Jocasta de Celine Imbert e assim por diante. Penso que fazer uma ópera como esta, com cantores nossos e usando os corpos estáveis do Municipal mostra que podemos, sim, arcar com desafios cada vez maiores."Leia mais.Édipo Rei. Sexta e sábado, às 21 horas; domingo, às 17 horas. De R$ 15,00 a R$ 50,00. Teatro Municipal. Praça Ramos de Azevedo, s/nº, tel. 222-8698.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.