AP Photo/Chris Pizzello
AP Photo/Chris Pizzello

Entrevistas perdidas de Bob Dylan vão a leilão; conheça mais sobre o músico

Documentos revelam que Dylan mudou seu nome porque se preocupava com o antissemitismo e escreveu 'Lay Lady Lay' para a atriz Barbra Streisand; ofertas online vão de 12 até 19 de novembro

William J. Kole, Associated Press

28 de outubro de 2020 | 10h00

Por quase meio século, elas estiveram em um lugar intangível: entrevistas perdidas que continham novos insights surpreendentes sobre o famoso cantor e compositor Bob Dylan.

Transcrições das entrevistas de 1971 com o falecido artista do blues americano Tony Glover - e cartas que os dois amigos trocaram - surgiram em uma casa de leilões de Boston. Elas revelam que Dylan mudou seu nome porque se preocupava com o antissemitismo e escreveu Lay Lady Lay para a atriz Barbra Streisand.

Algumas das 37 páginas digitadas contêm notas manuscritas com rabiscos do próprio Dylan, disse a R.R. Auction, casa de leilões que está vendendo o tesouro de Glover com arquivos sobre Dylan. "Meu trabalho é uma coisa comovente", Dylan rabiscou em um ponto. Em outro lugar, ele usou um marcador azul para destacar as passagens de que, evidentemente, não gostou.

“Em muitos casos, as exclusões são mais reveladoras do que as adições”, disse Bobby Livingston, vice-presidente executivo da casa de leilões.

Dylan, 79 anos, era amigo íntimo de Glover, que morreu no ano passado. Os dois começaram no mundo da música na mesma época em cafeterias de Minneapolis. A viúva de Glover, Cynthia Nadler, colocou os documentos em leilão, com ofertas online que começam em 12 de novembro e vão até 19 de novembro.

O recluso Dylan, que ganhou o prêmio Nobel de Literatura em 2016 depois de dar ao mundo Blowin 'in the Wind, Like a Rolling Stone, The Times They Are a-Changin e outros hinos dos anos 1960, nasceu Robert Zimmerman em Duluth, Minnesota. E seus longos bate-papos com Glover ajudam a explicar a mudança de nome.

Em 22 de março de 1971, a conversa começou com Dylan brincando: “Quero dizer que não teria funcionado se eu tivesse mudado o nome para Bob Levy. Ou Bob Neuwirth. Ou Bob Donut".

Mas com complementos escritos à mão, o tom se tornou mais sério quando Dylan analisou sua identidade judaica. “Muitas pessoas têm a impressão de que os judeus são apenas emprestadores de dinheiro e comerciantes. Muita gente pensa que todos os judeus são assim. Bem, eles costumavam ser porque isso era tudo o que estava aberto para eles. Isso é tudo que eles foram autorizados a fazer ", escreveu ele.

Nas entrevistas, Dylan também lembrou de quando ele conhecidamente usou a guitarra elétrica no Newport Folk Festival de 1965 em Rhode Island, onde os puristas folk na multidão o vaiaram. "Sim, foi uma noite estranha", disse ele.

Há também uma carta que Dylan escreveu em fevereiro de 1962, um mês antes de lançar seu álbum de estreia, na qual citava a lenda do folk Woody Guthrie: "Às vezes me sinto como um monte de poeira caminhando". Depois de visitar Guthrie em maio daquele ano, Dylan escreveu essa de música que nunca se tornou pública:

"My eyes are cracked I think I been framed / I can't seem to remember the sound of my name / What did he teach you I heard someone shout / Did he teach you to wheel & wind yourself out / Did he teach you to reveal, respect, and repent the blues / No Jack he taught me how to sleep in my shoes.''

("Meus olhos estão pedrados acho que fui enquadrado / Não consigo me lembrar do som do meu nome / O que ele te ensinou? Eu ouvi alguém gritar / Ele te ensinou a girar e a se descontrair / Ele te ensinou a revelar, respeitar e arrepender-se do blues / Não, Jack, ele me ensinou como beber demais '', em tradução livre)

Lay Lady Lay por muito tempo foi dita ter sido escrita para o filme vencedor do Oscar de 1969 Perdidos na Noite, mas Dylan disse a Glover que a escreveu como uma música para Barbra Streisand. Ele não entrou em detalhes quanto a natureza do relacionamento deles.

As entrevistas eram originalmente para um artigo que Glover estava escrevendo para a revista Esquire, mas Dylan perdeu o interesse e ele nunca foi concluído, disse a R.R. Auction. / TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.