ENTREVISTA-Juanes se diz satisfeito por fazer música social

A música ofereceu a desculpa perfeitapara que o cantor colombiano Juanes chamasse a atenção de todospara os problemas que afligem a sociedade atual. O artista, que desde o início de sua carreira esforçou-separa denunciar os problemas da América Latina e do restante domundo, confessou em uma entrevista concedida à Reuters desdeMoscou, por telefone, que não se sente um líder das massas eque esse compromisso deve ser assumido por qualquer cidadãopreocupado com o futuro. Juanes, no entanto, admitiu que sua popularidade funcionoucomo um elemento-chave para fazer-se escutar. "As duas coisas caminham lado a lado. A música, para mim, éde fato como o eixo de tudo. Foi a música que me levou aotrabalho social e, hoje em dia, sinto que ambas as coisas sãomuito importantes", afirmou o cantor, cujos sucessos incluem asmúsicas "Me enamora" e "A Dios le pido". Juanes concorre a sete prêmios na edição latino-americanado MTV Awards, cerimônia que ocorre no México, em outubro. "Sou muito grato à MTV porque eles me apoiaram enormementedesde o começo da minha carreira solo. Isso me surpreendeu deuma forma muito positiva", disse. Durante uma pausa feita em meio a uma grande turnê queinclui os EUA, a Europa e a América Latina, Juan EstebanAristizábal reconheceu, porém, que o aspecto social é umatendência em voga no mundo musical. "Nos últimos tempos, a maioria dos artistas nos envolvemoscom a música. E, também com essa desculpa, se pode chegar amais pessoas com coisas que são importantes", acrescentou. Neste ano, Juanes organizou um concerto pela paz nafronteira entre a Colômbia e a Venezuela, em meio a um conflitodiplomático envolvendo esses dois países vizinhos. Mais tarde, encabeçou outro evento musical, este em Paris,a favor da paz na Colômbia, uma nação que convive há décadascom um conflito armado. Desse show participou a ex-candidatafranco-colombiana Ingrid Betancourt, libertada havia poucotempo depois de passar seis anos nas mãos da guerrilha ForçasArmadas Revolucionárias da Colômbia (Farc). "É muito importante ter uma opinião e tratar de colocartodos em sintonia com isso, como em um coro. Não podemos ficarindiferentes diante dos problemas e precisamos, de algumaforma, exigir o que nos é de direito", afirmou. Retratando sua inquietude diante da realidade atual domundo, o cantor compôs, durante uma turnê pela Europa, a música"El odio por amor", que constará de um relançamento de "Lavida... es un ratico", a sair em novembro. "Não queria esperar dois anos para lançar um novo álbum.Este era o momento e a canção fala sobre a forma de atuar,sobre como vivemos, sobre como estamos nos matando e sobretalvez haver chegado o momento de mudarmos de atitude", disse. O relançamento de seu trabalho mais recente incluirá outrascanções inéditas, além de músicas gravadas durante a turnêmundial. (Por Fabián Andrés Cambero)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.