Encontro de caipiras valoriza diversidade do som de raízes

É a vez de São Paulo mostrar um pouco de sua rica cultura popular musical. A partir de quarta-feira até sexta, seis grupos do interior do Estado, além da Banda de Pífanos de Caruaru, de Pernambuco, e do Kachamba Brothers Band, do Malavi, país da África oriental, vão apresentar algumas de suas manifestações musicais no Sesc Pinheiros. O evento intitulado Raízes integra o 3.º Encontro Internacional da Associação Brasileira de Etnomusicologia (Abet), que teve início ontem à noite e também vai até sexta-feira. "O encontro tem caráter acadêmico, mas também é aberto ao público", informa o etnomusicólogo Marcelo Manzatti, membro da comissão organizadora e curador do Raízes. Variantes da mesma matriz coreográfica - o sapateado ibérico -, Os Favoritos do Catira, de Guarulhos, e o Fandango de Chilenas, da Capela do Alto, irão se apresentar, respectivamente, hoje e amanhã, às 13 horas. "O Catira (ou Cateretê) é bastante ligado à cultura caipira, manifestado em diversas áreas de São Paulo, Mato Grosso e Goiás", conta Manzatti. "Já o Fandango, dança encontrada desde o litoral sul do Rio até o Rio Grande do Sul, teve origem ligada ao tropeirismo." Ambas as danças são acompanhadas por violas. No caso do Fandango, as botas calçadas pelos dançarinos possuem chilenas, tipos de grandes esporas com rosetas. Na quinta-feira, às 20 horas, apresenta-se o Batuque de Umbigada do Tietê, Capivari e Piracicaba. Formado por 40 pessoas, o grupo tornou-se nacionalmente conhecido ao fazer uma participação especial, no ano passado, na bela microssérie Hoje É Dia de Maria, dirigida por Luiz Fernando Carvalho. O Batuque de Umbigada, trazido pelos negros africanos, é coreografado por uma fila de homens e outra de mulheres que, frente a frente, encostam os umbigos no ritmo da batucada. "Também tentamos trazer a Congada de São Sebastião, uma marimba africana do século passado, ainda manifestada em Ilhabela e em São Sebastião. Infelizmente, por incompatibilidade de horários, eles não poderão vir", conta Manzatti. Na sexta-feira, além da apresentação do grupo Moçambique de Cunha, às 13 horas, coordenado há 22 anos por José Ferraz da Silva, é dia da festa de encerramento do Raízes e do 3.º Encontro Internacional da Abet com shows da Banda de Pífanos de Caruaru e do Kachamba Brothers Band, às 21 horas, sob direção do percussionista de peso Djalma Correa. Raízes. Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195, 3095-9400. Hoje, 13 h; amanhã, 13 h e20 h; 6.ª, 13h e 21 h. Grátis e R$ 7,50 a R$ 15 (na 6.ª, 21 h)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.