Encontro de Ana Carolina e Seu Jorge, em CD e DVD

O encontro não premeditado partiu de um convite feito pela casa de shows Tom Brasil-Nações Unidas, para a inauguração de seu projeto Tom Acústico. Os cantores e compositores Seu Jorge e Ana Carolina toparam a dobradinha, com entusiasmo. Amigos fora do palco, eles até então não haviam experimentado uma sinergia musical. O show foi marcado para agosto. A princípio, seria um dia de apresentação. Mas a procura do público por ingressos foi tamanha que a casa achou por bem esticar a agenda da dupla para mais dois espetáculos. Naquela ocasião, Seu Jorge e Ana Carolina deixaram claro que estavam lá para se divertir - além de divertir e reunir seus respectivos fãs. A cantora, que vive no Rio, passou uma semana na casa do amigo, em São Paulo, em meio a ensaios e conversas. Mas nada que amarrasse muito a dupla a um roteiro. Seria apenas a definição de um caminho, aberto a improvisos. Dito e feito: a informalidade confabulada dias antes se confirmou no palco do Tom Brasil, assim como a química entre os dois músicos. O encontro acabou sendo registrado e lançado agora em CD e DVD, Ana e Jorge ao Vivo (Sony Music). "Foi um show que registramos de maneira light, não ficamos com o peso de uma responsabilidade", conta Ana. "Informalmente foi a maneira como tudo ocorreu", diz Seu Jorge. Segundo o cantor, eles bem que poderiam ter vindo com uma formação clássica, com banda e tudo mais, mas preferiram levar os instrumentos por conta própria. "A gente queria se apresentar sozinho no palco", completa ele. Ele assumiu os violões de nylon baixo, pandeiro e clarineta. Ela ficou com os violões de aço e nylon, pandeiro e baixo. No máximo, contam com a participação de uma violoncelista. Quanto ao repertório, não houve muito segredo. Separadamente, Seu Jorge e Ana Carolina interpretam seus sucessos, para satisfazer, claro, seus públicos. Ele engata canções como São Gonçae Tive Razão. Ela, hits como Garganta e Vestido Estampado. Inconscientemente, o show ganhou um tom politizado e social. Seu Jorge contribui interpretando Problema Social (de Guará e Fernandinho) e Zé do Caroço (de Leci Brandão). Já Ana resgata Notícias Populares, composta por ela depois do assalto que sofreu no Rio e Brasil Corrupção (Unimultiplicidade), parceria inédita dela com Tom Zé, criada antes da crise política do governo Lula ter sido desencadeada. No show, o momento do encontro de Ana e Seu Jorge ocorre exatamente em Carolina, antigo sucesso dele, que, por razões óbvias, serviu como "portão de entrada" para a cantora e seu pandeiro adentrarem no palco. O projeto estimulou outra parceria, O Beat da Beata, que interpretam em duo, assim como fazem em canções como Tanta Saudade (clássico de Djavan e Chico Buarque), O Pequenez e o Pit Bull (Gabriel Moura, Jovi Joviniano e Aranha), Pra Rua me Levar (Ana e Totonho Villeroy), no blues Chatterton (Serge Gainsbourg). Unem as vozes ainda em É Isso aí, uma versão feita por Ana para a original The Blower´s Daughter, de Damien Rice. Por coincidência, Zélia Duncan também criou sua própria versão para a canção de Rice que faz parte da trilha sonora do filme Closer. No caso de Zélia, virou Então me Diz, gravada pela cantora Simone e incluída na trilha da novela das 9, Belíssima. "Soube da outra versão faz pouco tempo", afirma a cantora. E ameniza: "Acho bacana existir mais uma versão. Acho que o público ganha com isso, escolhe qual quer ouvir."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.