Encenação de Mozart causa revolta em Berlim

Uma versão modernizada da ópera de Mozart, com prostitutas, pessoas nuas, cenas de uso de drogas, masturbação e sadismo detonou uma torrente de críticas em Berlim, com a estréia de Die Entfuehrung aus dem Serail (A Abdução do Harém). A produção do Komische Oper de Berlin causou tanto escândalo que até a indústria automobilística DaimlerChrysler que patrocina a temporada ameaça cancelar os US$ 24 mil de financiamento.A adaptação feita pelo diretor expanhol Calixto Bieito, transpõe a ópera de um palácio turco do século 18 para um bordel, onde se vê prostituição forçada, abuso de drogas e violência. Mas, o espetáculo teve também seus partidários. Thomas Flierl, principal funcionário de cultura de Berlim, disse que a ópera era "uma verdadeira reflexão sobre um fenômeno social". Bieito é um diretor polêmico. Há dois anos sua montagem de Um Baile de Máscaras, de Giuseppe Verdi, na Ópera Nacional da Inglaterra foi duramente criticada devido aos nus, aos travestis e à simulação de violência em grupo. O tenor Julian Gavin recusou o papel principal durante os ensaios, descontente com os rumos da encenação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.