Eminem reconhece dependência e diz estar 'limpo' há um ano

Rapper americano admite que vício em remédios provocou pausa de meia década em seu trabalho nos estúdios

Efe,

11 de maio de 2009 | 10h47

O rapper americano Eminem confessou abertamente sua passada dependência das drogas, responsabilizou o vício pela meia década sem editar um novo disco e assegurou que está limpo há mais de um ano, quando decidiu submeter-se a uma drástica desintoxicação.

 

Quando seu novo disco "Relapse" está a ponto de sair no mercado, Eminem reconhece que a longa pausa sem gravar foi porque "sofria de uma forte dependência das drogas. Tomava pastilhas como Vicodin, Ambien e Valium. Tinha que me recuperar física e mentalmente para pensar em um retorno". "Esta é minha primeira visita à Europa livre de drogas. Há mais de um ano que estou limpo e me sinto realmente bem", explica Eminem em entrevista realizada em Bergisch Gladbach e publicada nesta segunda-feira, 11, pelo jornal Bild.

 

Eminem acrescenta que para deixar as drogas precisou de um longo processo, cinco ou seis anos. "O mais importante que aprendi é que alguém deve estar disposto a mudar. Ninguém pode tomar essa decisão por si". "Certamente minha família desejava que eu deixasse as drogas, mas meu problema era que não queria me submeter de novo a uma desintoxicação. Minha primeira experiência foi tão terrível que resistia a repeti-la", comenta o cantor de 36 anos.

 

Tive sorte de encontrar um bom hospital com um bom médico onde me desintoxicaram. "Então tomei a decisão de que (o mundo da droga) acabou para sempre"."Parte da minha cura foi por ser sincero comigo mesmo. Também perante minha família e meus amigos", confessa no jornal, no qual ressalta que não acha que as pessoas se surpreendessem pelo fato de que fora um drogado.

 

"Já não quero esconder nada. Sou um viciado, o aceitei e superei", afirma o rapper, comentando que sentiu que recuperava sua capacidade criativa no ano passado em junho, quando estava há dois meses limpo.

Tudo o que sabemos sobre:
Eminem

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.