EMI rompe com Mariah Carey

A gravadora britânica EMI desistiu da cantora norte-americana Mariah Carey. Conforme anúncio feito hoje, em Londres, a empresa rompeu o contrato milionário que a cantora havia firmado com o selo Virgin, que pertence à EMI. Pela rescisão, a gravadora está disposta a desembolsar US$ 28 milhões. No início do mês, a EMI havia negado rumores de que queria encerrar o contrato com a cantora.O namoro de Mariah Carey com a Virgin entrou para a história da indústria fonográfica mundial pelo valor recorde do contrato. Se cumprido, ela deveria receber cerca de US$ 100 milhões por uma série de quatro álbuns.No entanto, o primeiro deles, Glitter, decepcionou a gravadora: teve 2 milhões de cópias vendidas em todo o mundo, mas ficou muito abaixo das marcas alcançadas pela Columbia Records, antiga gravadora de Mariah. Assim como o álbum, o filme homônimo também fracassou nas bilheterias e teve baixíssimo retorno.A gravadora investiu US$ 10 milhões em Glitter e amargou um alto prejuízo. E a quebra do contrato mostra que a EMI não tem nenhuma esperançade que a carreira da artista, uma das que têm os melhoresnúmeros de vendas na música pop, recupere seu trono. Alguns analistas da indústria questionam a decisãoda empresa e acham que a performance ruim do álbum teverelação com os problemas de saúde da cantora e a época em que odisco foi lançado. No ano passado, Mariah Carey foi internada duas vezes por conta de uma crise nervosa.Há outros fatores que levaram ao fim da parceria da gravadoracom a pop star. Um deles é a mudança na direção da empresa.Mariah foi contratada por Ken Berry, que queria aumentar aparticipação do grupo no mercado musical dos Estados Unidos. Elefoi muito criticado por ter resolvido pagar US$ 100 milhões porquatro discos de uma cantora que já era considerada uma estrelaem decadência.Meses depois do negócio, Berry foi substituído por Alain Levy,um de seus críticos mais contundentes. A conquista do mercadoamericano ainda não foi conseguida e os números de vendas de CDsestão baixíssimos em todo o mundo. Em 2001, a queda nas vendasfoi de 5% a 10%, em geral, e a dos lucros, de 20%. Para este ano, a situação deve ser a mesma. Ainda assim, a EMI é o terceiromaior grupo fonográfico mundial.Os acionistas da empresa devem estar felizes com a quebra docontrato. Quando surgiram os boatos de que a EMI estava paradescartar Mariah, suas ações subiram substancialmente na bolsade valores de Londres. Quando a notícia foi negada pelagravadora, as ações despencaram.A diva pop, que está com 31 anos, não fez nenhuma declaração atéagora sobre o fim do contrato. Não hánenhum lançamento dela em vista para os próximos meses. Mas osfãs vão poder vê-la nas telas novamente em breve. O filme WiseGirls, em que contracena com Mira Sorvino, foi exibido estemês no Festival de Sundance, em Park City, Utah, e deve chegarem breve às telas de cinema nos Estados Unidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.