EMI desiste de comprar Warner, após decisão da UE

O grupo britânico EMI informou que deixou de lado seus planos para comprar o norte-americano Warner Music por US$ 2,5 bilhões. A decisão foi revelada depois de surgirem dúvidas sobre a autorização dos comitês reguladores europeus, que poderiam vetar uma concentração muito grande da indústria musical, segundo os analistas.O Tribunal de Primeira Instância da União Européia (UE) anulou recentemente a autorização de um projeto de fusão dos selos fonográficos Sony e BMG. Assim, o conselho da EMI decidiu não buscar "por enquanto" uma aproximação com a Warner Music, mas pode mudar sua posição no futuro, indicou o grupo britânico. "A EMI ainda acredita que a indústria global tem excelentes perspectivas a longo prazo, devido à rápida expansão da música digital", acrescentou a empresa numa nota oficial.EMI e Warner Music sempre foram vistos como possíveis sócios. O selo britânico já havia anunciado que a aquisição seria atraente para os acionistas das duas empresas.Desde maio, a EMI fez duas ofertas para adquirir a Warner, ambas recusadas. Uma eventual união entre as duas companhias criaria a terceira maior do mundo no setor, atrás da Universal Music e da Sony BMG.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.