Em SP, o Hendrix e o Miles da música eletrônica

Detroit, grande centro industrial americano, dos maiores produtores de carros do País, também fabricou ao longo dos anos um pouco do melhor da música americana. Nos anos 50, ali nasceu e progrediu a fábrica de hits da gravadora Motown, que impulsionou os ritmos negros modernos, como o soul, o R& B e o funk. É de lá também que saíram alguns dos grandes nomes dessa edição do festival Skol Beats, que ocorre em São Paulo, no Anhembi, no dia 26. Dois deles, também negros, são os expoentes do som techno de Detroit: Derrick May e Jeff Mills. Assim como a Motown de Berry Gordy Jr. quebrou com a segregação racial na indústria da música, May e Mills impulsionam a especificidade da música negra dentro da cena eletrônica.Um, Jeff Mills, é tido como o "Jimi Hendrix" da música eletrônica, pelo virtuosismo e a capacidade atlética de tocar até 70 discos num set de uma hora. O outro, Derrick May, foi apelidado como "o Miles Davis do techno", pelo refinamento e, segundo afirmam os críticos, por ter conseguido introduzir elementos psicológicos e visão futurista na música dance.O DJ Derrick May já foi aguardado muitas vezes em São Paulo. Seu último e mais estrepitoso "cano" deu-se em dezembro de 2001, quando era esperado para uma grande festa. Um dos criadores do que nós chamamos hoje de techno, May deu muitos canos nesses anos, mas agora parece que é definitivo: ele confirmou presença no Skol Beats. Espirituoso e sofisticado, May é autor de uma definição célebre do techno: é algo como George Clinton encontrando o Kraftwerk dentro de um elevador. Mas sua filosofia é um pouco mais simples: "Eu não preciso de uma pílula para sentir o funk.""Jeff (Mills) e eu fomos competitivos durante anos, tocamos discos desde que estávamos no ginásio. Então, Jeff e eu, eu acho, estamos sempre em um outro nível que outras pessoas porque nós viemos de uma época quando o DJ era considerado um xamã. Quando eles eram considerados líderes espirituais da música e não apenas caras que tocam discos para astros de Hollywood."Derrick May começou a gestar a revolução do techno em 1987, quando ele e mais dois colegas de colégio (Juan Atkins e Kevin Saunderson) começaram a pesquisar com a música eletrônica. Com o single Let´s Go by X-Ray, ele anunciou ao mundo as regras repetitivas e hipnóticas do gênero, e seu selo - assim como a Motown - impulsionou a cena emergente. A história de Jeff Mills é coincidente com a de Derrick May. Nascido em Detroit em 1963, ele começou a discotecar no ano de 1987. Com Mike Banks (codinome Mad Mike), ele criou uma célula techno, em 1990. Depois, criou seu próprio selo, Axis Records, com base em Chicago.A cena eletrônica da cidade de Detroit é reconhecida no mundo todo. Em maio, a cidade celebra sua vocação, realizando o Detroit Electronic Music Festival, no Hart Plaza, três dias e quatro noites apresentando o supra-sumo do gênero, como Green Velvet, Derrick Carter, Mad Professor, George Clinton, Dave Clarke e os local heroes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.