Em show na Rússia, Madonna protesta contra lei antigays

A cantora Madonna usou seu show desta quinta-feira em São Petersburgo, cidade natal do presidente Vladimir Putin, para declarar apoio aos direitos dos homossexuais, depois de ativistas apontarem como discriminatória uma lei local sancionada neste ano contra a "propaganda" gay.

Reuters

09 de agosto de 2012 | 20h07

Madonna se apresentou de lingerie preta, com as palavras "no fear" (Sem medo) escritas nas costas. Ela pediu à plateia --onde muita gente usava pulseiras rosas distribuídas na entrada-- para "mostrarem seu amor e apreciação pela comunidade gay".

"Queremos lutar pelo direito de sermos livres", afirmou ela.

A cantora norte-americana aproveitou seus dois shows na Rússia para expor suas opiniões sobre a situação atual do país.

Na terça-feira, em Moscou, ela disse que reza pela libertação das três integrantes da banda punk Pussy Riot, que correm o risco de serem condenadas a três anos de prisão por terem feito uma manifestação contra Putin no altar da principal catedral do país.

A lei que entrou em vigor em março em São Petersburgo pune com multa quem difundir "propaganda" homossexual que cause "danos ao desenvolvimento físico, moral ou espiritual" de menores.

Na sua página do Facebook, Madonna disse que a lei é uma "atrocidade ridícula".

(Reportagem de Liza Dobkina)

Mais conteúdo sobre:
MUSICAMADONNARUSSIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.