Em show, Chico Buarque recebe declaração de amor pública da namorada

Compositor diz que Thaís Gulin, que lançou seu segundo CD no Rio, é sua cantora favorita

Roberta Pennafort/RIO,

04 de agosto de 2011 | 23h46

RIO - Chico Buarque e família não só prestigiaram o show da cantora Thaís Gulin, na noite desta quinta-feira, 4, no Teatro Rival, no Rio, mas também teceram elogios à sua performance. Ele, monossilabicamente. "É sua cantora favorita hoje em dia?", perguntou a reportagem. "Sim", respondeu Chico, que tem três irmãs e uma sobrinha no mesmo ofício. "Já viu muitos shows dela?", insistiu. "Esse é o segundo". Os flashes dos fotógrafos de celebridades, que foram ao show não pela artista no palco, mas por ele, não pareciam incomodá-lo. O casal namora há cerca de dois anos, mas não responde a perguntas dos jornalistas sobre o assunto.

 

Presença incomum na noite carioca, Chico - que abriu mão de assistir à vitória do Fluminense no Campeonato Brasileiro (2X0 contra o Internacional) - estava com a filha Silvia e o empresário, Vinicius França, na melhor mesa do Rival, no mezanino, tomando chope. Em outras mesas, espalhavam-se as filhas Helena e Luísa, cada uma com uma neta de Chico, e a irmã Miúcha. "Veio a família inteira. Eles já namoram há uns dois anos, então a gente imaginava que ele viria", disse Miúcha findo o show.

"Já adorava o CD da Thaís, mas não tinha visto ao vivo. Ela tem muita presença de palco, muita personalidade, uma voz muito especial É das poucas cantoras que não começam tentando imitar Elis Regina."

 

Nervosa e prejudicada por falhas em seu microfone, Thaís, curitibana radicada no Rio há nove anos, cantou músicas do repertório de seus dois bons CDs: o primeiro, com seu nome, de 2007, e o segundo, "ôÔÔôôÔô", recente. Neste, ela canta com Chico a romântica "Se eu soubesse", que ele compôs para que ela gravasse. No CD dele, "Chico", que saiu mês passado e tem letras com referências claras à namorada, o par volta a dividir os versos.

 

No show, depois de interpretá-la, Thaís cantou uma estrofe do pagode "Eu menti", sucesso nos anos 90: "O amor faz a gente enlouquecer/ faz a gente dizer coisas/ pra depois se arrepender/ mas depois vem aquele calafrio/ e o medo da solidão/ me faz perder o desafio". Ao terminar, brincou: "Essa música foi o Chico quem fez pra mim. O pagode eu fiz pra ele."

 

Ela também incluiu "o Francisco" em seus agradecimentos finais. Pouco antes do bis, Chico desceu do mezanino e correu ao camarim. Foi embora antes que os fotógrafos entrassem.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.