Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Em noite histórica, Racionais celebram 30 anos de carreira com show impecável em SP

Mano Brown, Edi Rock, Ice Blue e KL Jay reviveram a trajetória do grupo com sucessos de discos emblemáticos

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

07 de junho de 2017 | 07h51

Quantas vezes na história do Brasil a camada mais rica da sociedade deixou seus interesses mesquinhos e egocêntricos de lado e passou a ouvir os problemas de quem realmente crescia nas periferias da cidade, à margem de qualquer expectativa de vida, e à espera de um futuro pouco promissor? As letras contundentes dos Racionais MCs certamente estão inseridas nesses raros momentos de lucidez. O que se viu, portanto, na madrugada desta quarta-feira, 7, na Audio Club, na zona oeste de São Paulo, no show de comemoração dos 30 anos do grupo, foi um discurso duro, verdadeiro e contrário às elites e ao preconceito racial. 

Por mais de três décadas, os Racionais foram as vozes dos excluídos. Com propriedade, Mano Brown, Edi Rock, Ice Blue e KL Jay mostraram a todos que algo, de fato, não ia bem. Sobretudo para quem era preto, pobre e discriminado desde os primeiros momentos de vida. Viver no submundo cão não é definitivamente tarefa para os fracos.

A apresentação que celebrou os 30 anos de Racionais não podia ter sido mais impactante. De forma perfeita, o quarteto reviveu a trajetória do grupo sem perder sua essência e força genuína. O setlist foi de 'Sobrevivendo no Inferno' (1997), passando por 'Nada Como Um Dia Após o Outro' (2002) e 'Cores & Valores' (2014), álbuns emblemáticos do quarteto.

A performance que começou pontualmente à 0h repassou a história do grupo em grande estilo. Os Racionais mostraram, mais uma vez, por que são os artistas mais importantes da história do rap nacional. Clássico atrás de clássico, Mano Brown e sua trupe dispararam rimas potentes, capazes de hipnotizar até mesmo o fã mais desatento. Em quase duas horas de show, uma verdadeira catarse coletiva tomou conta do local. Poucos foram os que não cantaram em coro os hits 'Vida Loka', 'Homem Na Estrada' e 'Capítulo 4, Versículo 3'. Em 'Diário de um Detento', hino do jovem que cresceu na periferia na década de 1990, nenhuma palavra da música foi desperdiçada. 

Em uma noite inspirada de Brown, os Racionais estavam afiados e prontos para enfiar goela abaixo tudo aquilo que não foi dito há anos. Eram, finalmente, os negros e pobres ditando as regras do jogo. "Chamavam os Racionais de gênios, mas só falamos o óbvio", disse Brown na última segunda-feira, 5, durante o encontro 'Uma Conversa com os Racionais MC's', promovido pelo festival Red Bull Music Academy, no centro de São Paulo, no qual o show desta terça, 6, também fazia parte da programação.

Exposição. Festival Red Bull Music Academy também promove uma exposição em São Paulo sobre os 30 anos dos Racionais. A mostra tem objetos e roupas dos integrantes, elementos cenográficos usados nos shows, peças como o primeiro mixer de KL Jay, além de fotos, vídeos e clipes originais e inéditos.

Tudo o que sabemos sobre:
Racionais MC'smúsicarap

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.