Em Minas, uma festa dos novos talentos da música

Uma cena musical efervescente acontece em Minas Gerais. Música popular brasileira, rock?n?roll, misturas de hip hop com maracatu, de congada com eletrônica, músicos, compositores e cantores independentes se destacam são revelados a cada ano graças ao festival anual Conexão Telemig Celular. Qualidade musical e personalidadeímpar são pré-requisitos. Na 6.ª edição do Conexão, que ocorre até domingo noParque Municipal de Belo Horizonte, grupos que já conquistaram oseu lugar ao sol - como os mineiros do Pato Fu, os pernambucanosdo Cordel do Fogo Encantado e a carioca Teresa Cristina - foramconvidados a participar do evento com os artistas selecionados,que foram escolhidos em etapas eliminatórias que passaram porseis cidades do interior de Minas Gerais. E também há casos como o de Mariana Nunes, dona de umavoz belíssima, e o compositor Vitor Santana, que se inscreveramno Conexão de 2004 e, nesta edição, estão de volta como artistaspatrocinados. Mariana e Santana ficaram entre os 12 finalistasno Prêmio Visa, que terminou quarta-feira, e já foram a sensaçãono projeto Prata da Casa, do Sesc Pompéia, no ano passado, ondeapresentaram pela primeira vez o show do novo discoAbra-Palavra. "O DVD está previsto para ser lançado no iníciodo ano que vem", conta Mariana. Marcos Barreto Corrêa, gerente de desenvolvimentocultural da Telemig Celular, analisa a importância da união dosartistas mineiros. "As oportunidades eram poucas para novostalentos da música aqui em Minas, o que acabava criando umadesunião. O papel de um evento como o Conexão é de ser um eloentre os artistas, um estímulo à percepção de que todos estão nomesmo cenário", diz. Uma prova de que esse espírito de confraternização pairasobre Minas Gerais é ver o intercâmbio de músicos entre asbandas. Warley Henrique é um cavaquinista de apenas 22 anos eque deixa todo mundo de boca aberta quando toca releituras declássicos como Noites Cariocas, de Jacob do Bandolim, ouquando mostra algumas de suas composições como Recordando ouNo Balanço do Pacotão, uma homenagem a seu irmão Welbert, quequando pequeno era "socadinho", daí o apelido "pacotão". Warley, que enquanto se apresentava era assistido pelohip hopper Renegado, tocou com o grupo DoisdoSamba. O compositore multiinstrumentista Flávio Henrique, que domingo se apresentacom Ná Ozetti, acompanhou ao piano Mariana Nunes e Vitor Santanaque, por sua vez, disseram que se Kristoff Silva não estivessena final do Prêmio Visa estaria ali tocando com eles. Para quem quiser mais informações sobre esses mineiros eseus discos, acesse www.amusicaquevemdeminas.com.br e wwwtratore.com.br.A repórter viajou a convite da produção do evento

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.