Thiago Santos/SESC
Thiago Santos/SESC

Em estreia de turnê solo, Liniker se consagra como uma cantora completa

Durante três dias, o teatro do Sesc Pinheiros recebeu um show vibrante, que trouxe as músicas do álbum ‘Indigo Borboleta Anil’

Patrick Freitas, Especial para o Estadão

27 de abril de 2022 | 15h59

Antes de se acompanhar o show, a grande questão era: como seria possível levar para o palco um trabalho tão íntimo como o álbum Indigo Borboleta Anil? Lançado em setembro de 2021, é o primeiro trabalho solo da cantora Liniker, sem os Caramelows

O álbum é um amálgama de vários ritmos que funcionaram de uma forma orgânica na voz suave de Liniker, que aplicou uma intimidade ímpar no álbum. Ouvindo, se tem acesso à memórias da cantora, inclusive os traumas experimentados na infância. 

“O desafio é realmente transpor um disco feito tão de dentro para fora e fazer com que ele soe, com que ele dance e que ele seja um show que toque a pessoa na intimidade mesmo. As texturas que a gente traz no álbum foram rearranjadas e ficaram mais potentes para o show. Acredito muito que disco é disco e show é show”, afirmou Liniker em entrevista ao Estadão.

E o público que acompanhou o show comprovou isso. 

Os ingressos para os três dias de apresentações (22, 23 e 24 de abril) foram concorridos e esgotaram rápido no site e na bilheteria do Sesc Pinheiros. E o lugar logo se revelou pequeno para a vibração do show. Apesar de acomodado em cadeiras, o público conseguiu ficar sentado em poucos momentos, tamanha a energia da cantora e também a toada da banda. 

“Olha, apesar de ser um show dançante, leve um lencinho", recomendou a cantora. O que se revelou necessário - em um dos momentos mais ‘pé no chão’ da apresentação, a cantora foi às lágrimas ao cantar ‘Lalange’, música que conta com a participação de Milton Nascimento no álbum. A emoção contagiou os fãs e muitos foram levados ao choro no teatro. 

Também houve momentos românticos com Baby 95 e Mel, que propiciou a cantora usar da sua enorme potência vocal para embalar o público. Liniker também separou duas partes da apresentação para cantar suas canções mais famosas, como Doce, e também para apresentar suas influências musicais, ao cantar Azul da Cor do Mar, de Tim Maia. 

Outro ponto interessante foi perceber como a cantora consegue comandar tudo do palco. Desde sua banda, literalmente regida por ela em muitos momentos, até a plateia que, em muitas músicas, ajudou com palmas agitadas por Liniker. A cantora manteve um ritmo que normalmente só é visto em shows de artistas consagrados e mais experientes, como Maria Bethânia. 

Liniker se preparou para a turnê desde a gravação do disco, e terá um longo caminho pela frente. A Indigo Borboleta Anil Tour tem direção musical assinada pela própria cantora ao lado de Julio Fejuca e datas garantidas até novembro em vários lugares do Brasil e Europa no próximo semestre. Um dos pontos de maior destaque será o Rock in Rio, onde a cantora se apresenta no dia 11 de setembro. 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Linikermúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.