Ryan Pfluger/The New York Times
Ryan Pfluger/The New York Times

Em documentário, Demi Lovato conta estupro sofrido na adolescência

'Demi Lovato: Dancing with the Devil' estreia no dia 23, no YouTube; veja trailer original

AFP, Redação

17 de março de 2021 | 08h00

A cantora americana Demi Lovato conta que foi violentada quando era adolescente, quando era atriz do Disney Channel, em um documentário revelador que abriu o festival on-line de South By Southwest nesta terça-feira, 16.

Demi Lovato: Dancing with the Devil, uma série original do YouTube, mostra a overdose de fentanil sofrida pela cantora em 2018 e que lhe causou danos cerebrais e cegueira parcial. Também trata de sua luta contra o vício.

Apresentados como filme de abertura do festival SXSW, os quatro episódios também contêm novos detalhes das agressões sexuais sofridas por Lovato, incluindo uma na noite em que ela teve uma overdose.

"Sei que o que vou dizer vai impactar as pessoas também. Mas quando eu era adolescente, estava em uma situação bem parecida e perdi minha virgindade em um estupro", diz Lovato.

"Estávamos abraçados, mas eu disse 'Isso não vai além, sou virgem e não quero perder (minha virgindade) desse jeito'", conta. "Mas isso não importou - ele fez mesmo assim", continuou.

"Tive três derrames. Eu tive um ataque cardíaco. Meus médicos disseram que eu tinha mais cinco a dez minutos. Eu cruzei uma linha que nunca havia cruzado", diz a cantora no trailer. 

Agora com 28 anos, Lovato não menciona seu agressor, mas diz que o estupro ocorreu quando ela "fazia parte do elenco da Disney" e que ela teve que "continuar vendo essa pessoa o tempo todo" depois do ataque.

Lovato diz que denunciou o agressor, mas que "nunca teve problemas por isso - ele nunca foi retirado do filme, do qual estava participando".

Lovato ganhou fama com o filme do Disney Channel Camp Rock, filmado quando ela tinha 15 anos. 

O SXSW On-line 2021, uma conferência de cinema, televisão, música e tecnologia, termina no próximo sábado.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.