Reginaldo Manente/Estadão - 16/6/1971
Reginaldo Manente/Estadão - 16/6/1971

Em 2020, tesouros do jazz foram descobertos

Grandes apresentações foram garimpadas, como de Thelonious Monk em um colégio e 'lost tapes' de um show de Ella Fitzgerald em Berlim

João Marcos Coelho, Especial para o Estadão

31 de dezembro de 2020 | 05h00

Já se repetiu à exaustão que, no reino das músicas improvisadas, a partitura é uma imprecisa bússola de navegação para os músicos. Aliás, na maior parte das vezes, a música impressa surge muito depois do fato genial, põe no pentagrama em minúcias cada grande solo improvisado – mais ou menos como o entomologista, cruel por natureza, espeta a agulha na borboleta para preservar sua beleza, tornando-a, porém e infelizmente, inanimada.

As grandes performances, portanto, constituem não só o legado, mas encarnam as obras de arte musicais. Neste ano pandêmico em que todo mundo teve de renunciar aos espetáculos ao vivo, sentimos ainda mais saudade do que a habitual dos grandes do jazz de 50, 60 ou 70 anos atrás. Criadores radicais que faziam do novo seu alimento diário e atendiam por Thelonious Monk (1917-1982), Ella Fitzgerald (1917-1996), Charlie Mingus (1922-1979), Dave Brubeck (1920-2012) e Sonny Rollins, este último o único ainda vivo e atuante, aos 90 anos.

De todos os citados, já se escarafunchou tudo que gravaram, mesmo que em péssimas condições técnicas. Esse é um garimpo que não termina jamais. 2020, neste sentido, foi pródigo.

Além dos “lost tapes” de um show de Ella Fitzgerald em Berlim em 1962 – o inédito histórico mais badalado na grande imprensa –, há outras gemas que não podem passar despercebidas. É o caso dos incríveis 47 minutos de música que o zelador de uma escola em Palo Alto, na Califórnia, gravou a pedido de Danny Scher, estudante de 15 anos que propôs e conseguiu promover em seu colégio, num domingo à tarde, uma apresentação do pianista Thelonious Monk e seu quarteto.

Corria o ano turbulento de 1968. Martin Luther King fora assassinado e a atmosfera racial era tensa. Pois Danny conseguiu unir brancos e pretos na mesma plateia. Monk at Palo Alto não é só mais um registro ao vivo do mais influente pianista de jazz do século 20. É um momento raro. Seu piano está mais extrovertido, solto. Seus improvisos em dois de seus clássicos, Well, You Needn’t e Blue Monk, mostram viagens harmônicas que passam longe da tonalidade principal, algo raro. Além delas, o quarteto toca a inefável balada Ruby, My Dear e Monk, sozinho, Don’t Blame me, canção de 1932.

Outro grande pianista, Dave Brubeck, o único branco dos cinco gênios citados, teve seu centenário de nascimento comemorado em 2020. E sua família, que hoje detém direitos dos seus fonogramas para a Columbia, lançou dois álbuns: o primeiro precioso, o segundo emocionante. Em Time Out Takes, ouvem-se inéditas versões intermediárias de temas hoje clássicos, como Take Five. Você se sente presente no estúdio com o saxofonista Paul Desmond e Brubeck se aplicando em dar fluidez a métricas irregulares – algo então revolucionário no jazz – que resultaram no incrível LP Time Out, de 1959. Em Lullabies, Brubeck aos 90 anos, em 2010, toca ao piano as canções de ninar que ouviu da mãe e tocou para filhos, netos e bisnetos.

Mingus, um dos maiores contrabaixistas e compositores do jazz moderno, também foi ativista da causa negra, Mais do que isso: transformou eventos terríveis, como a repressão a um motim na prisão de Attica, ordenado pelo então governador Nelson Rockefeller em 1971. Remember Rockefeller at Attica é uma das faixas presentes no segundo dos dois shows resgatados e lançados numa caixa com 4 CDs, agora em melhores condições técnicas. Circularam versões tecnicamente ruins destes shows de 1964 e 1975, ambos na cidade alemã de Bremen. Mingus provocava combustão espontânea em seus grupos nos quais brilhavam músicos excepcionais como Eric Dolphy, Don Pullen, Dannie Richmond, Jack Walrath e George Adams, entre outros. Amostra preciosa do melhor jazz dos anos 1960.

Deixei para o final o show holandês ora acessível pela primeira vez no álbum duplo Sonny Rollins in Holland. O notável sax-tenorista, vivíssimo aos 90 anos, de rígida autocrítica, autorizou o lançamento desses shows antológicos de maio de 1967 num power trio – a seu lado, dois excelentes músicos holandeses, o contrabaixista Ruud Jacobs e o baterista Han Bennink. Foi nesta formação que Rollins gravara em 1958 a engajadíssima obra-prima Freedom Now Suite, com Oscar Pettiford e Max Roach.

Na Holanda, eles entraram no palco sem nunca terem tocado juntos antes. E se afinaram instantaneamente. Ruud e Han eram fanáticos por Rollins. Conheciam muito bem seu repertório. E constroem improvisos à altura dos do explosivo mestre no auge de seus 36 anos. As quatro primeiras faixas, em estúdio, são impecáveis tecnicamente. As demais sete, ao vivo, são sofríveis, mas valem muito a pena. Não deixe de ouvir Sonnymoon for Two, de Rollins, e uma versão de mais de 20 minutos de Three Little Words, canção de Kalmar e Ruby, de 1930. Cá entre nós, aqui ele aplica tudo que o deixou embasbacado alguns anos antes nas delirantes guirlandas de notas de John Coltrane, como narrou Luis Fernando Verissimo, em sua crônica de 27 de dezembro, neste Na Quarentena

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.