Elton John e seu piano de US$ 1 milhão

DVD do show 'The Million Dollar Piano' enfileira mega hits e tem documentário sobre o instrumento milionário

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2014 | 09h36

Soa estranho, mas Elton John sempre teve problemas com pianos. Quando surgiu em 1969, com Empty Sky, já era visto como azarão em um mundo de guitarristas e vocalistas popstars e egocêntricos. Ele, baixinho e estranho, queria ser um deles, mas tocava piano com seus braços curtos. Como vencer foi a pergunta que cansou de fazer a si mesmo. Na virada dos 70 para os 80, Elton pirou em seu projeto de domar o gigante negro à sua frente. Elton tinha que dar um jeito de ser maior do que o próprio instrumento, e pensou em tudo. Fez concertos vestido de Pato Donald, usou perucas da realeza britânica, investiu em entradas apoteóticas. Foi tão longe que, quando vieram os anos 90, ele reconheceu: "Eu exagerei."

O piano voltou a ser um desafio em 2009, quando Elton sentou-se para pensar em uma apresentação que faria no teatro The Colosseum, do Ceasars Palace, em Las Vegas. O inglês estava em casa. Afinal, foi para aquele palco que ele levou um outro piano por 243 vezes durante a longa temporada da turnê The Red Piano. Junto aos produtores e nas graças de um confortável patrocínio de uma empresa japonesa de instrumentos musicais, pensou em radicalizar. Mais do que veículo, o piano seria o próprio cenário do show. Uma jovem designer japonesa de não mais de 25 anos foi escalada pela empresa para criar a peça e o resultado deixou Elton comovido. Um piano de US$ 1,4 milhão de dólares exibia imagens de clipes enquanto Elton tocava as músicas. Muitas vezes um exagero quase kitsch. "Mas era o que eu queria. Afinal, eu estava em Las Vegas", diz Elton no DVD que é lançado agora pela Universal Music.

O show com o nome de The Million Dollar Piano foi gravado em 28 de setembro de 2011 e mostra uma experiência sem paralelo nos shows convencionais de Elton pelo mundo. As clássicas estão lá, The Bich Is Back, Bennie and the Jets, Rocket Man, Tiny Dancer, Your Song, Mona Lisas And Mad Hatters, Blue Eyes e Philadelphia Freedom. E a banda é a de todos os shows, com Nigel Olsson na bateria e Davey Johnstone na guitarra, mais a participação de Luka Sulic e Stejpan Hauser, do duo 2Cellos. O que sai mesmo do roteiro é a presença do percussionista performático Ray Cooper, que faz com Elton as duas grandes surpresas da temporada, só com piano, voz e percussão: uma que Elton nunca toca, Better Off Dead, do álbum Captain Fantastic and the Brown Dirt Cowboy, de 1975; e a outra belíssima Indian Sunset, de 1971. Os extras trazem um generoso documentário (mas sem legendas em português) da criação do piano milionário pela empresa Yamaha, além de trechos de um show recente que o pianista fez em Kiev, na Ucrânia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.