Lening Abdala/Divulgação
Lening Abdala/Divulgação

Elton John abre a turnê brasileira em Curitiba sem dueto com James Taylor

Encontro esperado entre os astros não ocorreu, apesar de eles dividirem o público dessa vez no Brasil

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

01 Abril 2017 | 00h35

CURITIBA - As 22h e os 15 graus celsius de Curitiba receberam bem Sir Elton John na abertura da turnê brasileira, noite desta sexta-feira, 31. Um esperado encontro com James Taylor - com quem divide os públicos no Brasil dessa vez - não ocorreu, e Elton preferiu cumprir a cartilha e tocar os clássicos a apresentar melhor as canções do solar Wonderful Crazy Night, seu disco mais recente, de 2015.

Elton John e James Taylor ainda tocam no Rio (1/4), Porto Alegre  (4/4) e São Paulo  (no Allianz Parque, dia 6/4).

Pela primeira vez na capital paranaense, ele começou o set com The Bitch Is Back e Bennie and The Jets e disse no seu inglês de lorde: "é bom estar em 'Curibita' pela primeira vez. Vamos todos nos divertir!" - a pequena gafe é o único erro de um show sem invenções mas talvez exatamente por isso muito convicente.

Quando ele fica sozinho no palco depois de Philadelphia Freedom e esmirilha o piano por 5 minutos, as 20 mil pessoas no recinto sabem que ele vai cair em Rocket Man, mas alguém quer espera melhor do que essa?

Aí vem Tiny Dancer, Levon (na qual ele divide o holofote com o brilhante guitarrista Davey Johnstone), Goodbye Yellow Brick Road  (uma camiseta com essa inscrição custava R$80) e Your Song - quando ocorre o milagre da multiplicação de olhos marejados.

Em certo momento, um George Michael gigante surge no telão para Don't Let The Sun Go Down on Me, canção que num dueto entre os dois britânicos alcançou o primeiro lugar nos dois lados do Atlântico. Michael morreu jovem em dezembro passado.

Houve um erro que parece recorrente nos grandes shows no Brasil ultimamente: a produção aposta num público de pista premium (R$680) muito maior do que o que realmente aparece, e um bolsão se forma entre as duas pistas, prejudicando quem optou pelo ingresso mais razoável. Em Curitiba, pelo menos, o prejuízo não é tão grande graças ao acidente geológico e acústico perfeito que é a Pedreira Paulo Leminski. 

Lá pro fim do show, Elton John canta seu hit de 1984 (I'm Still Standing), que, trinta e três anos depois, soa real e atual: "eu ainda estou de pé".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.