Eldorado passa a ter distribuição da Sony

A gravadora Eldorado estácomemorando 25 anos de existência e, a partir de agora, seusdiscos serão distribuídos nacionalmente pela Sony. O contrato dedistribuição acaba de ser firmado e o primeiro lote - de 12títulos - do catálogo da Eldorado sai no dia 15 de junho. Oprazo para que as lojas do País inteiro sejam abastecidas é decerca de 15 dias. Portanto, no máximo até o fim de junho osdiscos estarão diponíveis.Entre os títulos que compõem o primeiro lote Eldorado-Sony estãoos CDs Voadeira, de Mônica Salmaso, e Yamandú, doviolonista gaúcho Yamandú Costa - que já vendeu 25 milexemplares, sem ter ido para as lojas. As vendas se davam pelosite da Eldorado.Há pouco mais de três anos, a Eldorado criou sua própriadistribuidora - para distribuir não apenas os seus títulos comoproduções independentes ou de outros selos alternativos."Chegamos a distribuir 53 selos, com um total de 1.200 títulosem nosso catálogo ativo", diz João Lara Mesquita, diretor dagravadora.A criação da distribuidora tinha o propósito de suprimir - outornar menos grave - a maior das dificuldades da produção quenão está ligada às grandes multinacionais do disco: fazer comque o produto chegasse às prateleiras das lojas.A iniciativa foi saudada, na época, como um grande avanço para adivulgação da música de boa qualidade que se produz, sim, noBrasil, mas a que o público não tem acesso entre outros motivospela dificuldade de distribuição. Por problemas econômicos, adistribuidora foi fechada, no fim do ano passado."Não considero vexatório o fato de não ter dado certo", dizJoão Lara. "Trabalhar com qualidade num país assolado pelaviolência, um país de alto índice de analfabetismo, é difícil",reconhece. "Sempre estive ciente das dificuldades e nunca asescondi; pelo contrário, falei delas, às claras", prossegue. Aexperiência, diz, foi enobrecedora.Foi imaginado por ele o primeiro disco lançado pela Eldorado, em1977: Revivendo na Flauta os Bons Tempos do Chorinho, comCarlos Poyares e regional. Mais adiante, assumiu a direçãoartística da gravadora o publicitário e compositor AluísioFalcão (quando compõe, usa o pseudônimo de J. Petrolino).Aluísio havia trabalhado com Marcus Pereira no célebre epioneiro levantamento das músicas tradicionais brasileiras elevou esse espírito desbravador para a nova casa. Produziudiscos de canções de ninar, de cantigas do cangaço, revelouinéditas de Noel Rosa, editou Nelson Sargento, Henricão eCartola.Identificava-se, na Eldorado, um efetivo padrão de qualidade(João Lara assume que houve também equívocos; acha que poucos,mas houve). No primeiro ano, saíram quatro discos; no segundo,oito títulos; depois, 12. O catálogo só de produções da casa temmais de 150 títulos. "Nossa intenção é pôr todos eles nas lojas, aos poucos", explica o diretor da gravadora.Independentes - O lote inaugural da parceria Eldorado-Sony terásó produções da gravadora. A partir do segundo lote, deverãoentrar produções independentes, de música regional, que agravadora acolherá. João Lara já está conversando com algunsartistas. "Vamos pôr nosso selo em discos feitos por artistasregionais de qualidade e dar-lhes distribuição nacional."Esse é o que ele chama de "segmento cultural", constante deraízes, folclore, tradição, do trabalho que começa agora adesenvolver. Num outro extremo, vai montar compilações comfonogramas do catálogo da Sony. "O acervo deles fica à nossadisposição para a montagem de antologias que se chamarão´Eldorado Jazz´, ´Eldorado Erudito´, ´Eldorado Pop´ -preservando a qualidade que orienta a programação da RádioEldorado."Por enquanto, a gravadora não vai produzir títulos novos, mas ahipótese não está descartada para um futuro próximo. "Forçatotal, agora, é para a busca dos artistas independentes, numnegócio em que, acho, todos saem ganhando. O artista já tem odisco, que vende de porta em porta, ou vende depois dos shows.Se ele procura a Eldorado, com custo baixo, eu ofereço adistribuição nacional" - é uma prática que gravadorasalternativas de sucesso, como a Velas, já adota há algum tempo eque funciona para o bem de todos os envolvidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.