DVD registra reunião de sambistas cariocas

O Pagode do Trabalhador comemorou um ano de sucesso ontem, com o lançamento do DVD que registra a reunião de sambistas todas as segundas-feiras. Renascença Samba Clube - Samba do Trabalhador é um raro registro desta festa tão carioca, que reúne centenas de pessoas em volta de uma mesa improvisada sobre caixas de isopor. É quando os compositores veteranos cantam seus clássicos e os novatos mostram o que - tomara - vai virar sucesso, sempre acompanhados de cavaquinhos, violões e muita percussão, tudo regado a cerveja e tira-gostos. Nesta gravação, feita em meados de 2005, o maestro e produtor Rildo Hora esteve a postos, regendo o enorme grupos de sambistas, já que era um registro definitivo. Detalhe, os diretores do DVD são três paulistas, Paulo Machiline, André Dória e Germano Fehr. "Aqui vem o menino começando e nego cascudo, para filmar o que acontece e se divertir", diz o compositor Moacyr Luz em puro dialeto carioca. Ele criou o pagode inspirado em outro que acontece todos os sábados no mesmo clube, reunindo pelo menos mil pessoas a cada semana. Moacyr foi lá, gostou e pensou em fazer uma reunião para os músicos se encontrarem. Escolheu a segunda-feira porque é quando os músicos folgam. O título Pagode do Trabalhador foi gozação mesmo. "Era para ser uma reunião informal, mas ficou importante. Às vezes aparecem 2.000 pessoas." O DVD abre com a chegada do público e os músicos falam da alegria de participar daquele pagode. Na hora da música, aparecem os tais cascudos, como Luiz Carlos da Vila, Bandeira Brasil, Tia Surica, José Luiz do Império e o próprio Moacyr e também os novatos, Luíza Dionísio, Diogo Nogueira (filho de João Nogueira) e Wanderley Monteiro. Ninguém canta hits, por opção de Moacyr Luz. "Nossa intenção era registrar os encontros legais que acontecem aqui e resgatar a música boa que a gente só ouve no Pagode do Trabalhador", explica Moacyr. O Renascença fica em Vila Isabel, na zona norte, e foi fundado nos anos 50 pelos negros de classe média cariocas. Na década seguinte ficou famoso pelas belas mulatas que mandava para os concursos de miss. Uma delas, Vera Lúcia Couto, representou o Brasil no Miss Beleza Internacional. Misses saíram de moda, mas as belas mulatas estão lá e o DVD mostra como o pagode é animado. Para conhecer um genuíno pagode carioca só tem um jeito melhor: ir pessoalmente ao Renascença, no próximo sábado ou segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.