Duas chances para ver e ouvir o Reggae B.

A brincadeira ficou séria, mas está muito longe de perder a graça. Se há poucos meses a agenda do grupo Reggae B. só marcava um showzinho informal aqui e outro ali, hoje a história mudou bastante. Enquanto se prepara para gravar o primeiro disco da carreira, a banda se apresenta quarta-feira, no Blen Blen Brasil. Este será o terceiro show que o grupo faz só nesta semana. No show, a formação do Reggae B. ganhará dois convidados cinco estrelas - Chorão, do Charlie Brown Jr., e Samuel Rosa, do Skank. Para completar a maratona de apresentações, a banda ainda faz um pocket-show gratuito na quinta, às 19h, na Fnac. Para quem ainda não conhece, o Reggae B. é capitaneado pelo baixista Bi Ribeiro, dos Paralamas, que cogitou abandonar a música depois do acidente de ultraleve que quase custou a vida de seu parceiro, Herbert Vianna, em fevereiro de 2001. Consternado, Bi se isolou em seu sítio no interior do Rio de Janeiro, e conta que ficou seis meses sem pegar no baixo. Mas Herbert foi se recuperando aos poucos e os Paralamas passaram a se reunir para ensaiar algumas canções inéditas. Ao mesmo tempo, o baixista resolveu se cercar de uma verdadeira seleção carioca de músicos para exercitar sua veia reggaeira. Foram nesses encontros informais entre instrumentistas de várias bandas que o Reggae B começou a ganhar forma. O grupo recebia um convidado aqui e outro ali até que sua formação se firmasse com João Fera (Paralamas) e Jean Pierre (ex-Cidade Negra) nos teclados; Bidu Cordeiro (Paralamas) e Marlon (Banda Vitória Régia, de Tim Maia) nos trombones; Claudio Menezes (AfroReggae) na guitarra e Ronaldo Silva (filho do baterista Robertinho Silva) na bateria e percussão. Por ter na formação músicos com não menos de dez anos de experiência, a banda já está anos-luz à frente de outros grupos que fazem reggae no País. A proposta de tocar reggae sem muitas pretensões acabou ficando muito maior que a encomenda. Mesmo sem um álbum pronto, que deve sair no segundo semestre deste ano, os rapazes já colecionam temas próprios e conseguiram definir um repertório de reggae incomum, que não pede socorro aos velhos hits e abusa dos lados B. Na lista dos covers, entram menos Bob Marley e Peter Tosh e mais Black Uhuru, Linton Kwesi Jonhson, Denis Brown, Peter Tosh, Third World, Gregory Isaacs. Serviço Reggae B. - Amanhã, às 23h, no Blen Blen Brasil (Rua Inácio Pereira da Rocha, 520, tel.: 3815-4999). Ingresso: R$ 15. Pocket-show - Quinta, às 19h, na Fnac (Avenida Pedroso de Morais, 858, 3.º andar, tel.: 3097-0022). Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.