Dori Caymmi faz show em família, no Rio

O compositor, arranjador e instrumentista Dori Caymmi tem uma enorme família musical. Filho de Dorival Caymmi, irmão de Nana e Danilo, considera-se também descendente de Tom Jobim, Noel Rosa, Baden Powell, Ari Barroso, só para citar alguns. Para homenageá-los, faz o show Influências, de quinta-feira a domingo, no Sesc Rioarte, em que toca e canta clássicos desses compositores. "Quis agradecer a gentileza de me terem preparado para a vida", diz Dori. "Não faço nenhuma posição harmônica que não seja deles, mas gravei as músicas com cordas e cantei do meu jeito."O show deveria coincidir com o lançamento de um CD de mesmo nome, que não ficou pronto a tempo. "Ontem, acabei de gravar É Doce Morrer no Mar, do meu pai", conta ele. O repertório tem ainda Acontece Que Eu Sou Baiano e Lá Vem a Baiana (de Dorival Caymmi), Coversa de Botequim (Noel Rosa), A Felicidade e Desafinado (Tom Jobim), Berimbau (Baden Powell), Faceira (Ari Barroso) e um choro pouco conhecido de Jacó do Bandolim, Migalhas de Amor.Alguns desses músicos foram amigos de seu pai, mas não freqüentavam sua casa. Convivência mesmo, Dori só teve com Tom Jobim, João Gilberto e Baden Powell. E diz ter aprendido com eles tudo que depois aplicou na música. "Foram os que eu mais aporrinhei", lembra Dori com carinho. "Os outros eu ouvia em discos que meu pai trazia. Ele não nos incentivou a fazer música não tentou nos colocar no meio artístico. Nem ficava bem, pois seria como o sujeito que trabalha na repartição pública em que o pai é chefe."O disco tem convidados, mas Dori só adianta os nomes de Nana e do sanfoneiro Dominguinhos. Já nos shows, ele estará em família: quinta, com Danilo; sábado e domingo, com Nana. Sexta-feira é a vez de Joyce, companheira do início de carreira. "A gente se encontra pelo mundo, mas não tocamos no Brasil há muito tempo. Ela representa a participação feminina na minha geração. Havia poucas mulheres nessa época, mas boas. Quando fizer um disco com meus contemporâneos, ela e a Suely Costa participarão."Esse é o próximo projeto. Influências nem está pronto e Dori já pensa no próximo disco, com músicas de seus contemporâneos, ou irmãos musicais. "Chico Buarque, Edu Lobo, Caetano, Gil e outros que estiveram comigo desde o início e têm uma obra importante. Vai ser difícil escolher esse repertório", avalia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.