Dona Zica, dama do samba e do morro

Hoje é dia de luto no samba carioca. Logo de manhã, morreu Euzébia Silva de Oliveira, a Dona Zica, viúva de Cartola, o fundador da Estação Primeira de Mangueira, a escola mais antiga do País e a campeã do último carnaval. Ela havia sido internada três vezes em 2002, mas sua morte surpreendeu os amigos, que preparavam a festa de seus 90 anos, no dia 6 de fevereiro, com missa na quadra da agremiação e samba noite adentro. Até a virada do ano, sua saúde era estável. No primeiro domingo de 2003, fez ashonras na Mangueira para receber o cantor Gilberto Gil, então recém-nomeado ministro da Cultura.O cardiologista Roberto Orcades, disse que ela estava animada com o carnaval. "Esteve no consultório na semana passada edisse que ia sair na Mangueira de qualquer jeito", lembrou ele. "Dona Zica achava que era uma criança, daí o número deinternações. Ela abusava demais." A neta de dona Zica, Nilcemar, acrescentou que ela ela preparava o lançamento do livro dereceitas Dona Zica - Tempero, Sabor e Arte, contando os segredos de seus 80 anos de cozinheira e banqueteira. "Ela estavasuper feliz, chegou a dizer que estava com medo por estar tão bem", comentou Nilcemar.Viver intensamente foi o segredo de dona Zica, nascida e criada na Mangueira. Sua família não era de sambistas, mas a irmã,Clotilde, ou dona Menininha, casou-se com o ferroviário e compositor Carlos Chacaça, que em 1929 fundaria a Mangueira. Cartolae Zica se conheceram nessa época, mas nada houve entre eles, pois ambos eram casados: ele com a dona-de-casa Deolina e ela, com o pai de suas duas filhas, Vilma, já falecida, e Regina. O romance aconteceria nos anos 50, com os dois já viúvos e Cartola afastado na Mangueira, na miséria, envolvido com Donária, sua segunda mulher."Zica foi a luz na vida dele. Cartola era um sonhador, não ligava para dinheiro, saúde ou coisas materiais. Ela era prática, ativa,susentava as duas filhas e viu as possibilidades dele", conta a diretora do Museu da Imagem e do Som (MIS) do Rio, Marília Barboza, amiga do casal e biógrafa do compositor. "Eles viveram juntos durante 12 anos até casarem em outubro de 1964. Na época, ela riu de si mesmo, dizendo que uma senhora já de idade como ela se casava como se fosse uma bandeirante."Mesmosem compor ou cantar, dona Zica foi fundamental. Diz a lenda na Mangueira, que é dela a frase "as rosas não falam", título dosamba mais conhecido de Cartola. Eles haviam plantado roseiras no jardinzinho em frente ao barraco e só uma delas floresceu.Intrigada, Zica perguntou ao marido por que e ele, agastado com outros problemas, teria dito a ela para perguntar às rosas. "Masas rosas não falam, Cartola", respondeu Zica, dando mote ao samba falando de um amor maduro, que os reconciliou naquelarusga momentânea.Mas esta não foi a única homenagem declarada de Cartola para Zica.Tive Sim, dos anos 50, seria a resposta aos ciúmes dela. Às vesperas do casamento, em 1964, fez Nós Dois.Nessa época, os dois tinham o ZiCartola, restaurante na Rua da Carioca, no centro, onde os quitutes de dona Zica serviam de fundo paraa música de Paulinho da Viola, Clementina de Jesus, Zé Keti, Elton Medeiros e outros sambistas que estrearam lá, em shows produzidos por Hermínio Belo de Carvalho. O restaurante só durou dois anos, de 1963 a 1965, mas deixou marcas até hoje na cultura brasileira. "Na época, foi vendido, a preço de banana, para Jackson do Pandeiro", lembra Marília.Sem o restaurante, dona Zica insistiu para que ele virasse músico profissional. "Ela queria que ele fizesse shows, compusesse eele não ligava para nada", diz Marília. "Só em 1974, quando gravou o primeiro disco para a (gravadora) Marcus Pereira, Cartola atentou para apossibilidade de ganhar dinheiro. Então, passou a compor e trabalhar muito, como se tentasse recuperar o tempo perdido."Coma morte do compositor em 1980, dona Zica, tornou-se líder da Mangueira, ao lado de dona Neuma, filha de outro fundador daescolas e sua amiga inseparável, ambas matriarcas do morro, onde nada era dedicido sem a suas opiniões. Dona Neuma morreuem julho de 2000 e Zica continou firme como símbolo da Mangueira e, por extensão, do próprio samba. No ano passado,participou do lançamento do Centro Cultural Cartola, instalado no antigo prédio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística(IBGE), em frente ao morro e tinha tudo pronto para sair no próximo carnaval. A morte a pegou antes e a Mangueira agora vela sua primeira dama. cujo enterro estava marcado para hoje de manhã, no cemitério do Caju, nazona norte.Veja galeria de imagens

Agencia Estado,

22 de janeiro de 2003 | 13h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.