MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Dona Ivone Lara será homenageada em musical no Rio

Espetáculo 'Um Sorriso Negro', idealizado por Jô Santana e dirigido por Elisio Lopes, deve estrear em setembro

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

17 Abril 2018 | 14h17

RIO — Dona Ivone Lara será homenageada em um musical a estrear em setembro no Teatro Carlos Gomes, no centro do Rio, intitulado Um Sorriso Negro, título de um famoso samba seu. Ela vinha participando nos últimos seis anos da pré-produção, contou o idealizador do espetáculo, Jô Santana, nesta terça-feira, 17. A sambista morreu na segunda-feira, aos 97 anos.

“É uma grande homenagem à mulher, ao empoderamemto feminino. Dona Ivone foi pioneira como compositora (a primeira mulher a ter samba na avenida, em 1965, por seu Império Serrano)”, disse Santana, que já encenou um musical sobre Cartola — o projeto é de uma trilogia de sambistas fundamentais, e será concluído com Martinho da Vila. 

“Como disse Alcione, Dona Ivone era um pássaro que veio do Império Serrano para guiar todo mundo. Era a mãe que acalentava e cuidava, a avó. Ela estava empolgada com a peça. A família aprovou o texto. Vamos fazer também uma exposição no teatro, com fotos e figurinos. A peça começa com o encontro dela com a médica Nise da Silveira”, explicou. A compositora era enfermeira e trabalhou com a famosa psiquiatra. 

A direção será de Elisio Lopes; a direção musical, de Rildo Hora, que produziu disco de Dona Ivone e era seu amigo. Serão três atrizes, para interpretá-la da infância à maturidade. As audições serão no Itaú Cultural, no fim de maio. A peça chega a São Paulo em 2019. 

Eliana Lara, nora de Dona Ivone, quem a acompanhava em shows, ajudando-a a se vestir, contou que ela mantinha a lucidez e a musicalidade. Ausentava-se por vezes e depois se punha a solfejar uma nova melodia. Nessas horas, mandava chamar o neto e parceiro, André Lara. A última parceria faz “uns oito meses”. “Foi minha segunda mãe. Muito amorosa. Era muito requisitada para shows, especialmente em São Paulo. Era reverenciada e ovacionada."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.