Dona Inah lança primeiro disco aos 69 anos

Dona Inah, aos 69 anos, lança hoje seu primeiro disco, Divino Samba Meu (CPC-Umes), com show no Sesc Pompéia. Como Clementina de Jesus, Cartola, Walter Alfaiate e outros nomes sagrados do samba que chegaram tardiamente ao grande público, agora é a vez de Dona Inah, que estréia com um disco que é um primor do gênero, digno da beleza, da delicadeza e da elegância de seu canto.Influenciada por Isaurinha Garcia, Aracy de Almeida, Orlando Silva e Nelson Gonçalves, ela começou a carreira nos anos 50, em sua cidade natal, Araras, interior de São Paulo. Sempre cantando samba de raiz, mudou-se para a capital em 1954 e passou a se apresentar nas principais emissoras de rádio. Nos anos 80 ficou bastante conhecida em rodas de samba em São Paulo e participou de vários programas temáticos da TV Cultura. Nos anos 90 abandonou a carreira de cantora, retomando em 2002 no musical Rainha Quelé - Tributo a Clementina de Jesus. Funcionária pública aposentada, ela nunca deixou de cantar, apesar de nestes anos todos não ter tido a oportunidade de gravar seu primeiro disco-solo. "Foi muita luta, muito trabalho para conseguir chegar até aqui. Sinto que como se estivesse tendo o primeiro filho agora." Em julho deste ano, quando fez o show de encerramento do Fórum Mundial da Cultura, no Teatro Municipal de São Paulo, Dona Inah impressionou produtores estrangeiros que a convidaram para cantar em março na França. Em seguida ela segue para o Marrocos, em sua primeira viagem fora do País. "Estou me sentindo uma criança", festeja ela.Divino Samba Meu tem direção musical do requisitado Zé Barbeiro. Além de clássicos de Nelson Cavaquinho (Palhaço) e Noel Rosa (Feitiço de Oração), Dona Inah buscou sambas esquecidos de Ary Barroso, Noel, Cartola, Paulo Vanzolini e Toquinho, e inéditos de Ataulfo Alves e Hermínio Bello de Carvalho (Armadilhas) e Cartola (Como É Que Eu Posso?). O show traz todo o repertório do CD e outras jóias de Cartola, Chico Buarque, Olivia e Francis Hime. Dona Inah - Teatro do Sesc Pompéia (358 lug.). R. Clélia, 93, 3871-7700. Hoje, 21h. R$ 10

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.