Dois Everests sonoros em uma só apresentação

Pianista Jeremy Denk se firma como um dos maiores da atualidade em recital no qual interpretou Bach e Charles Ives

João Marcos Coelho, Especial para o Estado de S. Paulo

02 de maio de 2014 | 03h00

Só pode ter sido pegadinha a historinha contada por seu primeiro biógrafo, Forkel, de que as Variações Goldberg nasceram como encomenda a Bach em 1741 para escrever música que fizesse dormir o insone conde Keyserling. Bach queria mesmo explorar ao limite a música para teclado. A langorosa Sarabanda, cujo baixo dá o mote para as trinta variações que se seguem, retorna ao final, soando praticamente outra música, após a odisseia que partilhamos de carona no barco do contraponto bachiano.

Outra pegadinha é chamar de sonata (como fez o compositor) a imensa peça pianística que Charles Ives escreveu, quase 200 anos depois. É verdade que ela tem quatro movimentos, mas constrói-se como o filósofo Emerson, ídolo de Ives, em suas reflexões: por frases, ou por períodos, mais do que em sequência lógica. Escreve Ives que "antes de uma conferência, ele rabiscava no papel suas ideias sobre o tema à medida que lhe vinham ao espírito, e a juntava ao sabor do momento." É assim que evolui a gigantesca Concord.

Em suma, a primeira, em vez de induzir ao sono, provoca um estado de excitação elevadíssimo. E a segunda não quer tirar o sono de ninguém; espanta até hoje os ouvidos europeizados de quem se horroriza com suas brincadeiras misturando o tema do destino da quinta sinfonia de Beethoven com hinos e ragtimes.

Duas obras-primas, ambas atemporais. Quando reclamaram da excessiva dificuldade técnica de sua peça, Ives respondeu: "Que culpa têm os compositores se o homem tem só dez dedos?". Bach, de seu lado, previu um cravo com dois teclados, para superar a ausência de dinâmica do instrumento. Isso potencializa as dificuldades técnicas extraordinárias de quem as enfrenta num moderno Steinway.

O pianista americano Jeremy Denk fez destas duas obras degraus decisivos de uma carreira brilhante em gravações para a Nonesuch. A ideia de juntá-las num só recital é arriscadíssima. Dois Everests na mesma noite. Denk os escala com fabuloso e sutil senso de compreensão da essência de cada uma. Em Ives, combina a ginga de pianista de ragtime (em "Emerson") com a de virtuose (no dificílimo "Hawthorne"), sem esquecer da veia romântica na famosa "pérola negra" (variação 25).

Tira de letra o emaranhado de mãos e dedos nas onze variações originais para cravo com dois manuais. Tem a técnica e musicalidade dos grandes artistas, em sentido absoluto. Denk caminha rapidamente para um posto muito elevado no círculo dos melhores pianistas da atualidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.