Documentário, Trem do Samba na França e relançamentos

O selo ‘50 anos de carreira’ será usado pelo sambista até o ano de 2016 para que muitos projetos tenham tempo de se concretizar

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

19 de outubro de 2014 | 03h00

O próximo show que tem como mote os 50 anos de estrada de Paulinho da Viola será em São Paulo, no dia 1.º de novembro, na casa de shows HSBC Brasil. Não há um repertório totalmente definido, mas, além de clássicas como Foi um Rio que Passou em Minha Vida, Coração Leviano, 14 Anos e Timoneiro, é bem provável que ele trará uma música inédita, Bloco do Amor, e um choro ao final, sobre o qual faz certo mistério. “Vai fechar com um chorinho instrumental quente que deve agradar muito à plateia”, diz.

Os 50 anos devem render projetos até o final de 2016. No mesmo dia em que a reportagem esteve em sua casa, sua mulher e empresária Lila Rabello se reunia em outro cômodo com a também empresária Marlene Mattos e uma equipe de produtores que estão começando a desenvolver uma série de projetos para o artista.

Marlene diz que as ideias são ambiciosas. Paulinho vai ganhar em breve seu primeiro portal, com material fotográfico e em áudio de acervos pessoais pouco conhecidos. A previsão de estreia é janeiro de 2015. Logo depois, o show de 50 anos sairá para uma turnê pela Europa. “A ideia é fazer uma comemoração bastante eclética”, diz Marlene Mattos.

Na França, partindo da cidade de Nice, haverá uma réplica do projeto Trem do Samba, idealizado no Rio de Janeiro por Marquinhos de Oswaldo Cruz para celebrar o Dia Nacional do Samba, em 2 de dezembro. “Vamos fazer um Trem do Samba com o Paulinho na França. E isso também já para o ano que vem”, diz a empresária.

O diretor de cinema e documentários André da Costa Pinto é o responsável pela captação de imagens para uma nova produção com o sambista. Será um formato mais próximo do documental, que deve explorar o personagem Paulinho fora dos palcos. “Poucas pessoas sabem como é a vida de Paulinho. Vamos humanizá-lo um pouco mais”, diz. “Ele tem um dos maiores acervos de imagens de nomes como Cartola e Jovelina Pérola Negra, que poucas pessoas conhecem.” Boa parte desse acervo ficará disponível no novo portal do artista.

Há ainda projetos de um livro fotográfico e o relançamento de alguns de seus discos dos nos anos 1990. “Tenho ainda algumas pendências a resolver com a gravadora que fez o Acústico MTV (lançado em 2007 pela Sony em CD e DVD). Mas vamos resolver isso”, diz Paulinho. Os primeiros shows da turnê dos 50 anos também foram gravados para serem lançados em DVD, CD e Blu-Ray.

O sambista acredita ter entre 10 e 15 músicas inéditas, algumas ainda sem título, mas reafirma que não tem pressa em registrar um disco novo. “Os tempos são outros, hoje existe a internet e não há mais aquele compromisso que tínhamos com gravadoras para fazermos esses álbuns”, diz. Uma de suas criações inéditas começou nos anos 1980 e só ganhou a segunda parte quase 20 anos depois.

PAULINHO DA VIOLA

HSBC Brasil. Rua Bragança Paulista, 1.281, Chácara Santo Antônio. Dia 1º de novembro, às 22h. R$ 75/R$ 165 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    Paulinho da ViolaTrem do Samba

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.