Reuters
Reuters

Documentário sobre Kurt Cobain conquista o público em Berlim

Longa traz material inédito sobre a vida do ex-vocal do Nirvana

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2015 | 15h42

BERLIM - Mais de 20 anos depois de sua morte em 1994, Kurt Cobain continua a assombrar o imaginário dos fãs do Nirvana. Um documentário aqui em Berlim retraça a trajetória do cantor e compositor, vocalista e guitarrista da banda desde os verdes anos em Aberdeen, Washington, até o gran finale. Kurt Cobain - Montage of Heck tira seu título de uma demo com canções preferidas que Cobain gravou de qualquer maneira, sem nenhum apuro técnico. em 1988. O documentário de Brett Morgen começou a nascer quando ele encontrou Courtney Love e a polêmica ex-mulher do artista lhe fez uma proposta irrecusável. Ela propôs abrir para Morgen os arquivos familiares sobre Cobain, franqueando anotações, objetos pessoais, songbooks e até esboços de pinturas e esculturas que ele fez da filha, Frances Dean Cobain. Em troca, Courtney não fez nenhuma exigência. Não quis impor o foco nem pediu para supervisionar a montagem.

Parece tão inusitado que chega a ser surreal, mas Morgen tinha currículo para ser procurado por Courtney. Seus documentários sobre o lendário produtor Robert Evans (The Kid Stays in the Picture) e os Rolling Stones (Crossfire Hurricane) lhe valeram prêmios e reconhecimento. Morgen nunca foi acusado de fazer sensacionalismo e, pelo contrário, os críticos sempre elogiaram seus retratos intensos e intimistas sobre figuras fortemente midiatizadas, mas das quais ele consegue mostrar novidades (segredos?). Mesmo assim, ter acesso a 200 horas de músicas e mais de 4 mil páginas de texto piraram o diretor, que dedicou muito tempo à compilação e seleção do material (mais de um ano). Sua única concessão foi aceitar a filha de Cobain, Frances Bean, como produtora-executiva.

O resultado é um filme de mais de duas horas (132 minutos), que flui com elegância, se é que se pode usar a palavra para o criador de um subgênero de rock alternativo com base em Seattle e que foi chamado de grunge. Morgen apresenta material inédito sobre a infância de Kurt, fotos e filmes domésticos nunca vistos antes. Lembra momentos decisivos - o single Smells Like Teen Spirit, do álbum Nervermind, que marcou o início do mito. Colhe depoimentos de pais, parentes e amigos. Não omite nada - inseguranças, drogas, depressão. Deixa claro que era uma pessoa difícil e de temperamento instável. Montage of Heck é uma coprodução do canal HBO. Deve estrear na TV norte-americana em 4 de maio, mas antes disso a empresa Universal vai fazer um lançamento pequeno em Nova York, Los Angeles e outras grandes cidades. É possível que haja distribuição internacional. Montage of Heck concorre com Jia Zhangke, de Walter Salles, ao prêmio de público (e da crítica) na seção Panorama Dokumente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.