DJs brasileiros tocam no Sonar, em Barcelona

O Sonar, considerado pela revista Rolling Stone o festival de música eletrônica mais badalado do mundo, começa nesta quinta-feira em Barcelona.Uma das atrações deste ano será a noite ?Eletronika Brazil", com apresentações do DJ Patife, do funkeiro DJ Marlboro e dos rappers Nego Moçambique e Instituto. A forte presença brasileira é considerada uma prévia da edição do Sonar que será realizada em São Paulo entre os dias 19 e 21 de setembro. O formato será o mesmo da versão original, com duração de três dias e eventos diurnos e noturnos. Alguns músicos que participam da edição espanhola também se apresentarão no Brasil, como o duo finlandês Pan Sonic.Público exigente - São mais de 300 atividades durante três dias em Barcelona. O festival acontece há 11 anos. Na edição passada, reuniu um público de cerca de 90 mil pessoas."A cada nova edição temos o desafio de fazer algo melhor do que na edição anterior ? o que é difícil, já que o público é cada vez mais exigente?, disse Enric Les Palau, co-fundador do evento.O festival é dividido em eventos diurnos e noturnos.O Sonar Dia tem um caráter mais experimental. Ele acontece no Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona (CCCB) e no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona (Macba), dois edifícios vizinhos no bairro do Raval, no centro da cidade.Apresentações de DJs menos conhecidos e exposições de arte digital, design gráfico, vídeo, cinema e audiovisuais espalham-se por cinco ambientes.Em salas fechadas acontecem também uma feira discográfica e uma editorial, onde músicos, gravadoras e distribuidoras fecham acordos comerciais.A festa mesmo acontece no Sonar Noite, realizado em uma casa de espetáculos em Hospitalet de Llobregat, um bairro operário vizinho a Barcelona.É lá que se apresentam músicos mais badalados, como Jeff Mills, Carl Cox, DJ Hell, Gang Starr, Massive Attack e Ryuichi Sakamoto.EcletismoO Sonar é exportado da Espanha para o mundo em dois formatos.O Sonar Club é um evento menor, com duração geralmente de um dia e com música experimental. Uma edição foi realizada recentemente em Londres.Já o Sonar Sound comporta uma programação mais ampla e segue o gosto do cliente. Em Tóquio, foi organizado como um festival de arquitetura. Em Roma e em Hamburgo, de música. Enric Les Palau, no entanto, rejeita o rótulo de franquia. Todas as atividades são supervisionadas pela Advanced Music, a empresa criada para administrar o Sonar.O festival é eclético. As apresentações não contemplam apenas variações de música eletrônica, como tecno e drum´n´bass, mas também fusões com ritmos como o flamenco.Assim como na edição passada, desta vez o hip hop terá grande destaque.Desde o começo, Enric Les Palau e seus dois sócios optaram por chamar o festival de ?música avançada?, em vez de música eletrônica.?Foi uma maneira de não ficar preso a um conceito?, explica Les Palau.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.