Discurso de Donald Rumsfeld vira música nos EUA

Depois de ouvir um pronunciamento do secretário de defesa norte-americano, Donald Rumsfled, em uma entrevista coletiva no Pentágono, dois músicos de São Francisco concluíram que as palavras dele tinham de ser transformadas em música clássica. Eles, então, pegaram as falas de Rumsfeld sobre assuntos internacionais e transformaram-nas em composições clássicas. A Poesia de Donald Rumsfeld e Outras Novas Canções Americanas inclui O Desconhecido, do discurso feito pelo secretário em 12 de fevereiro de 2002 sobre a situação do Iraque: "Como sabemos,/ há muitos sabidos que são conhecidos. / Há coisas que sabemos que sabemos./ Nós também sabemos que há desconhecidos que são conhecidos...". Agora, essas palavras ganharam a voz da soprano Elender Wall, com música do compositor e pianista Bryant Kong. Tanto as letras como as músicas estão disponíveis no site Stuffed Penguin Music.O CD, uma produção independente, foi divulgado na Rádio Pública Nacional e em vários sites na internet. Kong, que não aprova a administração Bush, diz que as frases improvisadas de Rumsfeld são ao mesmo tempo ponderadas, casuais, e, freqüentemente, apenas estranhas. "A combinação perfeita para música clássica", disse. "O que mostramos nas músicas é que acreditamos que Rumsfeld está contando uma história que não tem sustentação, que ele está tentando vender uma guerra sem justificativas", explica Kong. Entre os que gostaram do material está o próprio Rumsfeld. "Alguém me deu uma cópia. Tem essa mulher com uma voz maravilhosa cantando minhas entrevistas coletivas. Isso não diz algo sobre o estado do mundo?" disse Rumsfeld. No ano passado, o jornalista Hart Seely escolheu algumas declarações de Rumsfeld e, sem mudar nenhuma palavra, apresentou-as na forma de verso livre, sonetos e haikais no livro: ?Trechos de Inteligência: A Poesia Existencial de Donald H. Rumsfeld.? Kong, que teve permissão para usar o trabalho de Seely em suas composições musicais, avaliou se as palavras de outros políticos funcionariam como forma de arte. Ele acredita que as declarações do presidente George W. Bush não têm a essência necessária, enquanto as do presidenciável democrata John Kerry fariam as pessoas dormir. ?Os discursos de Bush são como um calendário de mesa. Acredito que John Kerry daria um longo poema de um único ritmo. Teria, no mínimo, 45 minutos de duração.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.