Discoteca do CCSP é digitalizada e aberta ao público

Villa-Lobos, João Gilberto, Carlos Lyra, Roberto Carlos e outros milhares de intérpretes e compositores da música brasileira estão agora livres das agulhas. Após um ano de trabalho, parte do acervo da Discoteca Oneyda Alvarenga, do Centro Cultural São Paulo, foi digitalizada e a partir de hoje estará à disposição do público. Com o trabalho, cerca de 15 mil discos de 78 rotações e 10 mil partituras foram armazenados em CDs e arquivos de computador. "Este projeto visa preservar o original e ainda facilita a busca por itens do nosso acervo", explica Francisco Coelho, coordenador da Discoteca. Segundo ele, agora é possível ter acesso às músicas e partituras diretamente nos computadores, sem ter contato com o original. "Como é um processo caro, digitalizamos apenas a produção nacional gravada em discos de 78 rpm, que são mais frágeis. Mas nosso acervo é muito maior." Ao todo, a Discoteca Oneyda Alvarenga possui aproximadamente 70 mil discos (78 e 33 rpm), 35 mil partituras, 10 mil livros, 400 títulos de periódicos, além de uma hemeroteca de música erudita, popular e até "folclórica". Fora a digitalização, o espaço ganhou ainda cinco cabines acústicas para audição e pesquisa de registros sonoros. Ao mesmo tempo em que busca preservar a memória da música brasileira, Coelho promete investir no atual. "A partir do final deste ano, vamos desenvolver um trabalho com compositores contemporâneos por meio da gravação de CDs por um selo próprio, e publicação de partituras. Afinal, a população brasileira tem muito pouco acesso ao que é produzido hoje em dia." Centro Cultural São Paulo - Discoteca Oneyda Alvarenga - Rua Vergueiro, 1.000, Paraíso, 3277- 3611. Das 10 às 20 horas (aos sábados, até as 18 horas; domingos, até as 16 horas). Grátis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.