Diretor de "Epitáfio" arrematou o VMB

O maior vencedor do Vídeo Music Brasil não é músico. Na premiação realizada pela MTV na última quinta-feira à noite, a única pessoa que voltou para a casa com quatro prêmios foi o diretor Oscar Rodrigues Alves, da produtora de vídeo Academia de Filmes. Oscar é o diretor do clipe Epitáfio, dos Titãs, grupo vencedor nas categorias melhor videoclipe de rock, melhor videoclipe do ano e melhor videoclipe do ano segundo a audiência. Além disso, ele dirige também Tem Alguém Aí - de Gabriel, O Pensador, a melhor edição. Formado em jornalismo, ele começou a trabalhar com direção de documentários e comerciais há nove anos. Em 1996, quando fundou a Academia de Filmes com vários outros sócios, ele começou a dirigir videoclipes. Confira a entrevista que ele deu ao JT Jornal da Tarde - Você esperava ganhar quatro prêmios? Oscar Rodrigues Alves - Não esperava, mas queria muito ganhar o prêmio de edição pelo clipe do Gabriel. Eu gosto muito da edição daquele clipe. Já no caso dos Titãs, a premiação em três categorias importantes foi como um conto de fadas. Como os Titãs chegaram até você? O Tony Belotto me ligou convidando para fazer o clipe de outra música, Isso. Tive algumas idéias e uma semana depois, a música de trabalho acabou mudando para Epitáfio. Ou seja: tudo que eu tinha pensado para Isso foi jogado fora. A idéia de Epitáfio foi inspirada em que? Como lay-out, editei um clipe com imagens da minha família feitas em Super-8. Tem cenas do meu pai, gravadas em 1928 pelo meu avô e cenas minhas gravadas pelo meu pai quando eu nasci. Por causa da letra, eu decidi fazer um clipe que falasse da vida. Quando mostrei para os Titãs, eles chaparam e só pediram para eu inserir imagens deles naquele lay-out.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.