Detonautas realizam passeata contra violência no Rio

Enquanto Brasil e França disputavam os primeiros lances da partida deste sábado, a banda de rock Detonautas realizava uma passeata silenciosa pelos direitos e dignidade do brasileiro na Av. Atlântica, em Copacabana. Foi o segundo manifesto promovido pelo grupo durante jogos da seleção na Copa da Alemanha, com o objetivo de fazer da morte do guitarrista Rodrigo Netto, o Nettinho, assassinado no dia 4 de junho em um assalto, um símbolo para mudanças políticas e sociais no Brasil."A manifestação é uma alternativa para pessoas que, como eu, não agüentam ficar em frente à televisão torcendo por um time de futebol quando o País está f...", disse o vocalista e líder do grupo, Tico Santa Cruz, que, no enterro de Nettinho, fez um discurso emocionado contra a corrupção e as desigualdades sociais. Neste sábado, o músico disse que o ato não era uma manifestação pela paz porque, para ter paz é preciso oferecer "condições dignas ao povo brasileiro" e, particularmente, às crianças para que freqüentem escola pública de qualidade.O baixista Tchello tatuou a imagem de Nettinho nas costas e chamava a atenção entre as cerca de 30 pessoas que estavam no ponto de saída da caminhada para o Leme na hora marcada, às 16h, bem no início do jogo. Dentre os presentes, estavam o irmão de Nettinho, Rafael, e o pai deles, Gilberto Silva Netto. "Gosto de futebol muito, mas gostava muito mais do meu filho", disse Gilberto. Os manifestantes seguravam faixas e cartazes com dizeres como "Quando falta educação sobra violência", "Pelo fim da impunidade", "Só queremos: educação, saúde e respeito aos nossos impostos". Também foi passado um abaixo-assinado pelo fim do voto secreto no Congresso Nacional. Tico Santa Cruz aproveitou para convidar todos para participar do movimento Reforma Brasil, que vai organizar manifestações em 12 cidades do País, inclusive São Paulo, Ribeirão Preto e São José dos Campos, no primeiro fim de semana após a Copa.

Agencia Estado,

01 de julho de 2006 | 19h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.