'Deprimidas, a gente faz péssimas canções'

Cantoras, instrumentistas e compositoras do Taxi Taxi! se apresentam no festival 'Invasão Sueca'

Jotabê Medeiros, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2010 | 19h00

 

Miriam e Johanna. Cantando, elas parecem que sussurram em antigos idiomas tolkienianos (das mitologias élficas criadas por J.R.R. Tolkien). O duo Taxi Taxi! traz ao País talvez a mais espiritual viagem musical pop desde que o Cocteau Twins se apresentou na Barra Funda, nos anos 1980. Miriam e Johann Eriksson Berhan responderam juntas à entrevista por e-mail do Estado.

 

Quem foi mais importante para vocês: Tori Amos ou Björk?

 

Nunca ouvimos Tori Amos. Eu (Johanna) uma vez ouvi uma canção dela que estava numa coletânea que dei a alguém há muito tempo. A música de Björk, no entanto, significou muito para nós quando começamos a formar nossas identidades, entre 13 anos e 17 anos, eu acho. E ainda significa.

 

Como se descobriram cantoras?

 

Sempre cantamos juntas. Na infância, as nossas visões da música mudavam o tempo todo. Começamos uma banda de rock lá pelos 12, 13 anos, porque era divertido e "pegava bem". Então, quando fizemos 15 anos, decidimos gravar duas canções em casa, para ficarmos mais focadas. Era por amor à música, e foi ficando mais e mais sério. Taxi Taxi! nunca foi planejado.

 

Vocês vêm de Lulea, no norte da Suécia. Como a questão geográfica afeta seu trabalho? Vocês têm essa coisa de raízes?

 

O norte da Suécia é realmente algo especial. No verão, a luz do sol brilha durante os dias e as noites, e nos invernos, já fica escuro lá pelas 3 horas da tarde. Nós ainda passamos nosso verões lá, e alguns invernos, mas desde que mudamos para Estocolmo, quando tínhamos cerca de 8 meses de idade, não chamamos mais Lulea de nosso lar. Tem gente que diz que a escuridão durante outonos e invernos forja bons compositores lá. Não acreditamos nisso, a gente compõe canções péssimas quando estamos deprê.

 

Acaba de sair deu primeiro disco, Still Standing at Our Back Door, com 10 músicas. Consideram que é um álbum conceitual?

 

É só uma coleção de canções, todas conectadas de algum jeito, mas é só um balanço do que fizemos nos últimos 4 anos.

 

Muitos músicos escandinavos, como Jens Lekman, demonstram grande se em bossa nova.

 

Somos amigas ou fãs de todos esses artistas. Adoramos. Mas não diríamos que temos influência de bossa nova...

 

Vocês usam computadores no palco?

 

Só instrumentos acústicos.

 

Veja também:

link Entrevista com Anna von Hausswolff

link Fadas suecas, a graça do pop europeu

Tudo o que sabemos sobre:
Invasão SuecaTaxi Taxi!festival

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.