Depois do vício, a ressureição de Frank Morgan

Grandes músicos de jazz, assim como os roqueiros, tiveram sua vida abreviada por causa das drogas e da bebida. Entre elas estão nomes como Bud Powell, Billie Holiday e Charlie Parker. Todos dominavam a arte do jazz, mas não conseguiram controlar o vício. Essa também seria a história do saxofonista norte-americano Frank Morgan caso o final não tivesse um desfecho bem diferente.Morgan teve como mentor o saxofonista Charlie Parker. Por causa de Parker, ele escolheu o sax alto para tocar. Mas a convivência com o gênio do sax lhe trouxe, além da musicalidade, o vício da heroína. Por cerca de 30 anos, a promissora carreira de Morgan foi interrompida por tratamentos contra a droga e longas temporadas em prisões. Mas o que parecia inevitável ? um fim trágico e prematuro - se tornou um caso a ser copiado e aplaudido.Para não deixar dúvida sobre a sobriedade e o talento do saxofonista, basta escutar seu mais novo trabalho City Lights: Live at the Jazz Standard, gravado ao vivo em Nova York, e lançado pela gravadora High Note. Com um repertório de primeira e um trio de apoio da pesada, entre eles o pianista George Cables e o baterista Billy Hart, Morgan consegue encantar sem fazer malabarismos no sax. Seu toque é conciso e completo. Basta ouvir as versões de ?All Blues?, de Miles Davis, ?Round Midnight?, composta por Thelonious Monk, e ?Georgia On My Mind? para constatar isso.Apesar de imperar os temas mais tranqüilos, Morgan, cria do movimento bebop, também abre espaço para o ritmo nas interpretações de ?Impressions?, de John Coltrane, e ?Cherokee?, uma das mais importantes músicas do repertório de Parker. Assim como a maioria dos músicos de jazz, ele também incorporou em seu repertório peças de grandes compositor dos EUA, como Gershwin, representado aqui pela famosa ?Summertime?.Como de costume quando o assunto é jazz, o CD não tem previsão de ser lançado no mercado brasileiro. Mas isso não será um empecilho para descobrir um músico que, aos 70 anos de idade, prova que nunca é tarde para recomeçar algo que ficou adormecido por tanto tempo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.