Depoimento gravado pode inocentar Michael Jackson

Uma fita de áudio pode mudar o rumo das acusações de abuso sexual contra Michael Jackson. Kimberly Guilfoyle Newsom, advogada que exerce função na promotoria de San Francisco mas também é colaboradora da rede de TV americana CNN, disse que ouviu uma gravação em que o garoto que acusa Jackson, sua mãe e seu irmão elogiam o cantor e dizem que ele nunca agiu de forma errada. A própria CNN não põe a mão no fogo pela veracidade da fita. Afinal, não se pode comprovar se as pessoas que falam na gravação eram mesmo o menino que acusa Jackson e sua mãe. Mas Kimberly, consultora para assuntos jurídicos da CNN, garante que foi uma pessoa muito próxima de Michael Jackson que lhe apresentou o conteúdo da fita, que teria sido gravada por um detetive particular a pedido do cantor. "O tempo todo a mãe e a suposta vítima são muito enfáticos em seu elogio a Michael Jackson, dizendo que eles eram muito abençoados por conhecê-lo, que ele era uma figura paterna, a mãe dizendo que Jackson tratava seu filho como seu próprio filho", disse Kimberly Newsom à CNN na noite desta quarta-feira. A consultora diz também que os depoimentos pareciam espontâneos. Além da fita, ela afirmou também que a mãe e o garoto assinaram uma garantia dizendo que Jackson nunca abusou do menino. Kimberly não viu a suposta garantia, mas diz que sua fonte mencionou sua existência. A garantia teria sido assinada um mês após a gravação da fita. Se a fita e a garantia existirem e forem autênticos, o caso pode chegar ao tribunal de forma muito diferente do que se pensou até agora. Para Kimberly, eles poderiam afetar a credibilidade do depoimento da vítima, caso o ainda não identificado garoto de 12 anos venha mesmo a testemunhar diante da corte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.