Bart Heemskerk/Dekmantel/Gop Tun
Bart Heemskerk/Dekmantel/Gop Tun

Dekmantel faz em SP sua primeira grande investida fora da Holanda

Festival mistura o underground europeu e norte-americano com o vigor sem fim da capital paulista; Nicolas Jaar, Jeff Mills, Hermeto Pascoal e Azymuth são alguns nomes que se apresentam no evento coproduzido pela Gop Tun

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

02 de fevereiro de 2017 | 04h00

O festival que vem chacoalhando o underground europeu desde 2013 terá, neste fim de semana, sua primeira edição brasileira: o Dekmantel (coletivo e selo holandês) traz ao Jockey Club diversos nomes da música contemporânea - “do disco ao house, techno, world music, pós-punk, jazz e tudo entre eles”. São dois dias de festival a céu aberto em quatro palcos e mais dois eventos à noite, com mais de 50 artistas tão diversos quanto os veteranos Jeff Mills e Hermeto Pascoal até os mais jovens Nicolas Jaar e Nina Kraviz.

O line-up - ponto forte do Dekmantel aqui e lá fora - não deixa de lado a intensa movimentação eletrônica que vem acontecendo nos últimos anos em São Paulo, contando com artistas locais, como a dupla Selvagem, Marcio Vermelho (ODD), Cashu (Mamba Negra) e, claro, a crew do coletivo paulistano Gop Tun, que organiza a edição brasileira do evento.

+ Cena independente preparou São Paulo para o line-up criativo do Dekmantel Festival

Os ingressos para cada dia custam R$ 225 (para estudantes, idosos, professores da rede pública e quem doar um livro na entrada do evento). Para as festas à noite, que ocorrem na Fabriketa, os ingressos saem por R$ 90. O festival começa às 13h, nos dois dias.

A parceria entre a Gop Tun e o Dekmantel começou efetivamente em janeiro do ano passado, em um show case organizado em SP. “Eles amaram a festa e um mês depois já surgiram com a ideia de fazer uma edição do Dekmantel aqui”, diz Vitor Kurc, um dos DJs da Gop Tun. “Vieram a São Paulo checar algumas opções de locações e, na primeira visita ao Jockey, eles se encantaram com a arquitetura e o visual do lugar. Desde o início, a proposta era usar as construções do Jockey como cenografia elementar do festival e, como o público é bem menor que o desses grandes festivais que rolam por lá, não sentimos necessidade de grandes estruturas até para não interferir no charme do lugar”, explica. O festival deve receber cerca de 6 mil pessoas por dia.

Há muitas diferenças entre o Dekmantel Festival e outros eventos como o Lollapalooza e o Tomorrowland. A primeira é a escala do público (dez vezes menor no Dekmantel). A outra é o relacionamento mais ambicioso com a música underground, que norteia as ações do Dekmantel ao lado da ambientação característica. Esta é a primeira investida em grande escala do selo fora da Holanda.

“É o mesmo que comparar uma grande rede de lanchonetes com uma hamburgueria que tem uma filial”, explica Kruc. “O Dekmantel é um evento de nicho. Quando você pensa no tipo de música que ele procura promover, é um festival de conhecedores para conhecedores que acaba divulgando a um público mais amplo uma gama enorme de novos artistas e ainda consegue desafiar seus seguidores mais fiéis.”

“O Brasil é um país completamente diferente de qualquer outro lugar em que sediamos eventos”, explica o time do Dekmantel ao Estado em um e-mail assinado por Melisa Cenik, “mas acreditamos que temos o equilíbrio, as pessoas e o timing para fazer acontecer por aqui.”

“Sempre fomos confiantes quanto ao público, já que é um line-up de sonhos para qualquer amante da música contemporânea”, diz Vitor Kruc - mesmo assim, muitos artistas são desconhecidos de grande parte do público brasileiro. Um dos headliners é o produtor norte-americano Nicolas Jaar - que em 2016 lançou Sirens, seu disco mais ambicioso até aqui, consagrado por diversas publicações, como a Pitchfork: um manifesto político enevoado por batidas eletrônicas que misturam tudo do jazz ao pós-punk. Jaar, de 27 anos, tem ascendência chilena: sua família saiu do país sul-americano quando Pinochet deu o golpe de Estado em 1973.

O time do Dekmantel ainda faz três outras recomendações: o veterano Jeff Mills (“o mago do techno Mills é sempre uma boa ideia”), o DJ Nobu (“um dos melhores artistas que o Japão nos ofereceu ultimamente” e o grupo brasileiro Azymuth, um da dezena de artistas nacionais escalados para tocar no festival.

+ Cena de festas independentes partiu do ‘desejo de ocupar a rua e experimentar’, diz dupla Selvagem

Fundada em 2012 a partir de um grupo de discussão no Facebook, a Gop Tun organiza festas e também lança artistas pelo selo de mesmo nome. O grupo faz parte da cena paulistana atual, “coesa e bem diversa, congregando um monte de produtores, promoters, DJs, músicos e um público aberto as suas propostas”, nas palavras de Kurc. “Sem grandes pretensões, a música sempre foi o principal combustível para as coisas acontecerem até aqui.”

FESTIVAL DEKMANTEL

Jockey Club. Av. Lineu de Paula Machado, 1.263; 2161-8300. R$ 225 a R$ 450. Sáb. (4) e dom. (5), 12h.

Fabriketa. Rua do Bucolismo, 81. R$ 90. Sáb. (4) e dom. (5), 23h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.