Defesa e promotoria preparam júri do caso Jackson

O juiz do julgamento de Michael Jackson por abuso sexual de um menor decidiu hoje que dirá aos jurados que a acusação do cantor de induzir o menino acusador a ingerir bebidas alcoólicas poderá ser considerada como um delito menor.A mudança realizada por Rodney S. Melville, juiz do Tribunal Superior do Condado de Santa Bárbara, aumenta a possibilidade de que Jackson seja declarado culpado de haver oferecido álcool a um menor de idade, mesmo que seja absolvido da acusação de abuso sexual.A acusação formal original contra Jackson argumentava que ele deu álcool ao menino para facilitar o suposto abuso.Apesar disso, o juiz disse aos advogados durante a audiência de hoje que informará ao júri que dar álcool a um menino é um delito menor incluído na acusação formal. Ambas as partes estão de acordo de que é necessário dar essa instrução aos membros do júri.A decisão foi tomada durante as discussões entre os promotores, os advogados de defesa e o juiz sobre as instruções de serão dadas ao júri antes do início das deliberações.Em uma audiência da qual não participaram nem Jackson nem os 12 membros do júri, o juiz Rodney Melville determinou ainda que o jurado só poderá considerar acusações anteriores de abuso sexual contra Jackson se estas revelarem uma tendência. "Vocês poderão usar esta evidência se acreditarem nela, mas só com a intenção de demonstrar que estamos diante de um padrão de comportamento, método, plano e aproximação similar ao deste caso", afirmou Melville, lendo uma cópia das instruções que o júri receberá. Jackson, de 46 anos, foi acusado de abusar de um menino, então com 13 anos, entre fevereiro e março de 2003; dar-lhe vinho e conspirar para mantê-lo preso, junto com sua família, no rancho Neverland, para que participasse de um vídeo de reconstrução de sua imagem, abalada após a exibição de um documentário em que ele diz gostar de dormir com crianças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.