De volta ao cinema, Bob Dylan perde o compasso

Diálogos surreais, situações idem. Assim é o filme Masked and Anonymous, segundo o New York Times. Com Bob Dylan no papel principal, o filme estreou hoje nos Estados Unidos. E tudo indica ser uma bomba, exceto para os fãs incondicionais, que gostam de tudo em que o ídolo aparece - na verdade, gostam de seu ídolo, seja como for.Pelo que disse a crítica do maior jornal dos EUA, a desordem toma conta de Masked and Anonymous. O filme se passa em um país fictício governado por um velho ditador que tem de se ocupar com uma guerra civil. Em meio a sangue e tiroteios, um produtor quer realizar um show beneficente. E como não tem dinheiro para Paul McCartney ou Sting (ele diz isso), chama Dylan, ou melhor, Jack Fate (qualquer coisa como João Destino).A simplicidade do argumento não ajudou, segundo o NYT. "Como filme, é uma bagunça incoerente e profana", diz o jornal. Os diálogos chamaram especialmente a atenção da crítica: Dylan/Fate diz à personagem de Jessica Lange que "Está na grama. As vacas podem digeri-la. Mas você não pode, nem eu".Esta e outras pérolas recheiam Masked and Anonymous, filme de estréia do diretor Larry Charles e o retorno à tela grande de Bob Dylan, que fez em 1978 Renaldo e Clara. O que vale mesmo a pena são as músicas do próprio Dylan, que de resto faz um papel muito parecido consigo mesmo, um cantor de folk. Mas atenção, algumas canções são cantadas em japonês, italiano e turco (!). E para encerrar a história, Jack Fate senta num ônibus e divaga sobre o sentido das coisas da vida, ao som da sua famosa Blowin? In The Wind, aquela que diz "the answer, my friend, is blowin? in the wind". Segundo o NYT, a resposta para Masked and Anonymous parece estar mesmo perdida no vento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.