Regina Cavalcanti/Estadão
Regina Cavalcanti/Estadão

De surpresa, Alceu Valença dá canja na Avenida Paulista

Cantor pernambucano se apresentou neste domingo, 20, ao lado do jovem cantor e violonista gaúcho Diego Goldas e destacou a importância dos músicos de rua

Regina Cavalcanti, O Estado de S. Paulo

20 de setembro de 2015 | 16h07

Neste domingo, 20, por volta das 13h, quem passava pela Avenida Paulista, bem na esquina com a Alameda Casa Branca, podia ouvir alguém cantando La Belle de Jour, de Alceu Valença. Talvez fosse algum dos muitos cantores de rua que tentam a sorte por lá nos fins de semana. Mas era só chegar mais perto e a voz parecia cada vez mais com a do cantor e compositor pernambucano.

E era Alceu mesmo quem estava lá, interpretando seu sucesso de 1986, ao lado do jovem cantor e violonista gaúcho Diego Goldas, que chegou a São Paulo há dois anos e há cerca de um ano e meio tenta realizar seu sonho de ser artista. Boa surpresa para Diego e para o público do bar logo em frente, lotado de gente fugindo do calor de 34 graus, que parecia muito mais.

Uma canja inusitada na Paulista!Posted by Alceu Valença on Domingo, 20 de setembro de 2015

No fim da apresentação, um simpático Alceu Valença agradeceu atenção, palmas, fotos, da plateia improvisada e, ao elogiar o trabalho de Diego Goldas, disse que os músicos de rua devem ser valorizados e respeitados e que eles também têm uma grande parcela de responsabilidade na necessária renovação da música popular brasileira.

Para o jovem intérprete, de repertório eclético que inclui de Alceu a Johnny Cash e que fez dessa esquina o seu 'palco' favorito, ouvir a música e as palavras do respeitado músico salvaram o seu dia. "Esse encontro foi um incentivo a mais para eu não desistir do meu sonho."

Mais conteúdo sobre:
músicaAlceu Valença

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.