De fora do Grammy, cubanos fazem show em Havana

Os músicos cubanos que não conseguiram participar do Grammy Latino, em Miami, decidiram fazer um show de protesto em Havana. O jornal oficial cubano, o Granma, cuidou de convocar a população para prestigiar o espetáculo, que acontece hoje, no Teatro Karl Marx.A ausência dos cubanos no Grammy é resultado de uma polêmica que se arrastou por dias. Os músicos, assim como o governo, culpam a Academia de Artes e Ciências Fonográficas de aliar-se a Washington e boicotar o país. Para tanto, teriam obstruído o envio dos convites oficiais aos cubanos. A Academia responde que enviou sim os convites, mas não obteve resposta.Dezenas de cubanos foram indicados aos prêmios do Grammy - que, a propósito, homenageou em sua 4.ª edição a rainha da salsa Celia Cruz, cubana radicada nos Estados Unidos, morta em julho aos 78 anos. De todos os candidatos ao Grammy, apenas dois levaram o troféu: o "sonero" Ibrahim Ferrer, revelado ao mundo no disco (e filme) Buena Vista Social Club, e os rappers do Orishas.Nenhum deles, porém, se apresenta hoje no Karl Marx. Ibrahim foi recém operado de catarata, e os membros do Orishas não estão morando em Cuba. Os organizadores do show garantem a presença de Chucho Valdés, Eliades Ochoa, Los Muñequitos de Matanzas, Camerata Romeu e os Van Van, entre outros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.