De disco novo, Rush negocia vinda ao Brasil

Após cinco anos de ausência dofront do hard rock, o trio canadense Rush - um dos maisinfluentes do rock pesado, em direção oposta à de outros gruposseminais do gênero, como Led Zeppelin e Black Sabbath - está devolta às lojas com um disco novo, Vapor Trails.E talvez role uma boa notícia para os inúmeros fãs dogrupo no Brasil: o baixista Geddy Lee, em entrevista portelefone, na semana passada, disse que a banda está emnegociações para vir ao Brasil, "talvez em outubro ounovembro". O grupo mexicano CIE confirmou as negociações.Formado em 1968 pelo guitarrista Alex Lifeson (nascidoAlexander Zivojinowich), o vocalista e baixista Geddy Lee(nascido Gary Lee Weinrib) e o baterista John Rutsey (que saiupara dar lugar a Neil Peart, hoje principal compositor do grupo), o Rush começou de maneira prosaica: gravando uma cover de NotFadeaAway, de Buddy Holly, gravado em 1973.Com o tempo, criou uma mística especial. Além dovirtuosismo instrumental, as referências intelectualizadas sãomarca da banda. "Sucesso não é o resultado de combustãoespontânea; você deve pôr fogo em si mesmo", escreveu NeilPeart, em um texto para a apresentação do seu novo disco."Encontrei essas palavras no balcão de um bar emMontana, atribuídas a alguém chamado Reggie Leach. Parece umlugar improvável para encontrar inspiração, mas eu as carregueicomigo e pensei nelas mais de uma vez durante o processo decriação do novo álbum do Rush."Ouvi que você gosta de ler Borges e também GarcíaMárquez. É verdade?Geddy Lee - Tenho lido muito Márquez. Li recentementeNotícia de um Seqüestro, e gostei muito. Borges também li,acho brilhante, mas um pouco profundo demais para mim.A morte da mulher e da filha de Neil Peart, que é ocompositor do grupo, marcou o novo disco do Rush?É claro que o espírito das letras de Neil éimportante, mas nós pensamos em fazer música mais positiva. Atragédia traz uma mudança espiritual e o disco celebra a vida,não é um disco para prantear perdas.Você usa compassos complexos, diferentes do usualno rock. Acha que música tem a ver com matemática, como umaequação?Acho que isso era uma verdade para mim quando euera mais jovem. Agora eu ouço mais o ritmo da música, procurocom mais afinco emoções e melodias. Vapor Trails foi umdisco difícil de fazer, muito rico em emoções.Você fez um disco chamado "My FavouriteHeadache". Qual é sua dor de cabeça favorita?Fazer música, eu acho. Sou um cara tranqüilo,minha vida é fazer música.Você fez aquele disco como um presente para os fãsdo Rush?Não vi a coisa desse jeito. Quis mais expressar amim mesmo do que preencher um vazio.Há uma nova cena de hard rock, gente como LimpBizkit e Korn. Você gosta dessas bandas?Ouvi um pouco disso. Gosto do som, mas não dascanções, elas não são particularmente especiais. Mas eu tenhorespeito pelas bandas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.