REUTERS/Ian Hodgson/Files
REUTERS/Ian Hodgson/Files

David Bowie e a arte de implodir aquilo que deu certo para começar tudo de novo

Artista inglês não se sentia bem em lugares seguros do pop - a não ser em 'Let's Dance'

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2018 | 06h00

David Bowie nunca soube como sairia na foto. Sua bipolaridade artística, que lhe garantia aos mesmo tempo os mais baixos níveis de segurança pop comercial e os mais altos índices de adoração indie, não se tratava de estratégia de marketing, da qual seria acusado. Até porque a impressão era de que ele acionava o gatilho contra o próprio pé em cada transição repentina que resolvia fazer em seus discos. Logo depois de criar o culto a um personagem de outro planeta com o álbum 'The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars', não tinha pudores em aposentar a própria criatura já no disco seguinte, Aladdin Sane.

Bowie bombardeou as pontes que ligavam sua música a um suposto novo público por algumas vezes na vida. Em um momento específico, cansou da bolha e resolveu ser ainda maior, tocar nas rádios e fazer música pop. “Quero que faça para mim o que sabe fazer de melhor. Faça música pop”, disse Bowie ao guitarrista e produtor Nile Rodgers.

Nile, já um gigante depois de começar a vida com o parceiro baixista Bernard Edwards formando uma indústria de groove chamada Chic e de fazer o estrondoso sucesso 'Le Freak', conheceu Bowie em um boteco de Londres. Se impressionou com sua fala, com seus olhos bicolores e com seu jeito de compor. Por uma noite, Bowie apareceu em seu quarto com um violão em punho tocando dois acordes dos mais sem graça e dizendo que queria ver aquilo pronto. Nile entrou em crise por não saber o que fazer. Afinal, se perguntava, como transformar aquela pedra bruta em diamante? Estaria forçando uma barra, juntando-se a um lunático que não tinha noção da linguagem pop que queria atingir?

Mas Bowie tinha na cabeça o que Nile só enxergaria depois. Uma lapidada aqui, outra ali, o brilho começou a surgir. Quando terminaram o trabalho, com a guitarra de Nile dando as ordens, Bowie tinha nas mãos 'Let’s Dance', a música que faria o álbum homônimo de 1983 se tornar o mais vendido da história do artista, com 10,7 milhões de cópias. 

Mais conteúdo sobre:
David Bowiemúsica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.